quinta-feira, 29 de julho de 2010

GraphJam


Eu já disse isso aqui, mas vou repetir: quando eu acho que já inventaram de tudo nessa internet, vem alguém e consegue mostrar que ainda há muita criatividade por aí pra fazer coisas super legais. Um bom exemplo disso é o GraphJam.

Você com certeza já conhece o trabalho da galere do GraphJam. São gráficos geralmente em forma de pizza, bem coloridos. Mas o atrativo principal são os temas desses gráficos. É sempre alguma coisa nada séria, assuntos da vida cotidiana e do entretenimento. Mas não é porque são divertidos que não falam a verdade. Olha só:









Acho incrível como conseguem fazer uma coisa tão "matemática" como um gráfico numa forma de expressão super original e de qualidade. É bem aquela ideia que faz a gente se perguntar como ninguém nunca havia pensado nisso antes!

Então, se você gostou dos gráficos, não deixe de entrar no site do GraphJam e perder um bom tempo por lá. Vai por mim, no meio de tanta coisa besta e sem conteúdo na internet, ver algo tão divertido e inteligente é uma delícia :)

Essa é a vida que eu quis



De vez em quando a tag #Essa é a vida que eu quis reflete o que tá acontecendo na minha vida de verdade. Essa semana, por exemplo. Tenho conhecido pessoas novas muito legais. E poucas coisas são tão legais na vida quanto fazer novos amigos, né ? :)

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Música pra terminar a quarta-feira :)


Devido à minha pequena falta de tempo (e um pouquinho e falta de criatividade também), o post de hoje vai ser bem rapidinho. Mas semana que vem, prometo posts mais legais e mais sem noção também, como já é de praxe aqui, né :P

Por enquanto, uma musiquinha bonita pra terminar a quarta-feira :)

terça-feira, 27 de julho de 2010

Já vi esse filme..


Sabe aquela máxima engraçadinha "nada se cria, tudo se copia"? Então, parece que no cinema ela faz todo sentido. Olha essas equações que mostram como os filmes que estrearam nessa temporada se parecem com filmes que a gente já viu por aí…








Tá que é tudo brincadeira e zueirinha. Mas algumas que uns filmes realmente parecem ter se "inspirado" em outros, isso parece.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Compras do mês - C&A, Saraiva, sebos, Livraria Cultura e Colar Com Nome


Tá que ainda não chegou beem no fim do mês (ainda tenho essa semana pra gastar mais - e eu provavelmente vou gastar), mas eu tava com vontade de fazer esse post. Mês passado foi tão fraquinho que eu nem fiz. Maaas, como eu acho que deu pra ver pelo título, esse mês foi um pouquinho mais movimentado nas comprinhas. Vou mostrar então as minhas aquisições do mês de julho:

C&A

Se teve alguém que não deu sorte nas liquidações desse ano, esse alguém sou eu. E sabem como é. Sair do shopping lotado em época de liquidação = depressão (hahaha, ok, exagerei no Becky Bloom feeligs). Então, o que nós, pessoas sem noção e descontroladas, fazemos? Compramos peças da pré coleção primavera/verão! :P

Nessa situação, minha visita à C&A se resume a esse vestidinho


Ele é de manga comprida mas é bem fininho, bem meia-estação mesmo. Cai super bem e fica ótimo pra usar até com calça/legging por baixo. E viram o detalhe fofo da gola? O crochêzinho dá um ar super romântico. Esse vestido também pode ser encontrado na cor preta.

Também comprei duas blusinhas básicas


Bom, nem precisa falar muito sobre essas, né? Quem convive comigo (amigos da faculdade, oi) sabe que blusinhas brancas são quase meu uniforme. Não tô exagerando, haha.

E comprei também uma sainha..

Achei a primeira saia com estampa floral que eu realmente gosto! Sim, a saia é (beem) curta, o que me deixa meio desconfortável. Mas né. Confesso que não usei muito a razão ao comprá-la. :P

Sebos

Não sei se eu já falei disso aqui, mas uma das minhas maiores felicidades alternativas é andar pelo centro de São Paulo e passar nos vários sebos de lá. AMO! Hahah, e nas férias eu sempre faço isso várias vezes, desde criança. Nesse mês nem comprei muita coisa, só o de sempre:

Livros da Agatha Christie e gibis! Hahahah, mais leitura de férias imposível, né? Minha diversão clássica e infalível :)

Saraiva

Então, sabe quando o tédio tá ficando cada vez maior, e a gente fica morgando no computador com preguiça de sair e procurar alguma coisa melhor pra fazer? Então, numa dessas eu fiquei fuçando no site da Saraiva, vi as promoções, e aí…

Bom, Três Vezes Amor é um filme ótimo, lindo, que eu até já falei aqui. Super recomendo. E o outro todo mundo conhece, né? hahahah, eu sempre confessei que adoro, muito, mas comprar o DVD Edição Especial foi o ápice da minha falta de vergonha na cara, hahahaha

Colar Com Nome

Fazia muuuuito tempo que eu tava querendo um colar com o meu nome, igual ao da Carrie, de Sex and the City, sabe? Daí eu vi no Just Lia esse site, o Colar Com Nome, que dá pra você mandar fazer um colar personalizado com seu nome. E tem várias opções pra a gente escolher. Fiz o pedido com frete grátis, e menos de um mês depois, meu colar chegou! É tão lindo e desejado que eu to com dó de estrear! hahahah


Livraria Cultura

Continuando o assunto Carrie Bradshaw, ela também tá presente nos presentinhos que eu ganhei da @kerolac! Ouvi reclamações de que eu só falava de SATC aqui no Clueless, mas, em minha defesa, quero lembrar que faz teeempo que eu não falo do assunto aqui! E tem como não comentar esses presentes?


Ganhei o DVD da 5ª temporada e um livro, "A Nova York de Sex and the City", que tem não só um mapa com todos - sim, todos - os lugares em que a série foi filmada como também um guia episódio por episódio das locações de Sex and the City em NY. É incrível. Só pra me deixar mais obcecada ainda por ir pra lá, né? #sonho


Bom, acho que é isso por esse mês. E mês que vem, que tem Bienal do Livro? To me preparando pra falência já… :)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Are You Happy?



Pra pensar um pouquinho no fim de semana ;)

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Essa é a vida que eu quis



É isso que acontece depois de assistir Julie & Julia. Vontade enormee de ir pra cozinha praticar meus incríveis dotes culinários (que são limitados a brigadeiro, miojo e um ótimo (mesmo) pavê de maracujá. mas isso é um detalhe, né? haha)

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Quando a idade chega...


Se você acha que divórcio, rugas, vigilantes do peso e dificuldades financeiras não têm nada a ver com videogame, é hora de rever seus conceitos. Hahah, pelo menos é isso que mostram as ilustrações divertidas que eu achei no site Dorkly. No mesmo estilo das ilustrações dos personagens de desenhos animados na faculdade, no Fake-Doll, essas ilustrações aqui mostram personagens de games na maturidade, tendo que lidar com questões não muito legais. Dá uma olhada:





Porque ninguém é Lara Croft gostosona pro resto da vida, né? ;P

terça-feira, 20 de julho de 2010

Bilhetinhos


No perfil do site Thx Thx Thx (leia-se Thanks Thanks Thanks - obrigada) tá escrito assim: A mãe da Leah sempre disse a ela para escrever notas de agradecimento. Então ela escreve. Para tudo. O thxthxthx é um exercício diário de gratidão.

E isso define bem o site. Leah, a autora, escreve notas para todas as coisas todos os dias, de uma forma bem fofinha/divertida/sincera. Quer exemplos? Olha aí:

Querido Chocolate, obrigada por ser tão "fucking good" (dispensa traduções, né?)


Queridos apartamentos vazios para alugar, obrigada por me deixarem entrar sem ter que dizer oi, por fazer com que eu me sinta na casa dos outros, que também poderia potencialmente ser minha casa, e por ser capaz de ir embora sem explicação, sem ter que dizer tchau


Querida pilha de livros que eu ainda não li, obrigada por me fazer sentir mal comigo mesma por não ler rápido, ou suficiente, e por comprar coisas antes de eu realmente precisar delas. E depois de ter esses pensamentos, por me lembrar de parar de ser tão crítica comigo mesma sobre tudo.


Queridas fotografias, obrigada por me deixarem encarar as pessoas sem parecer que estou sendo grosseira.


Queridas pessoas que vêm à minha casa, obrigada por suas visitas. Sem elas, eu nunca me lembraria de limpar meu banheiro.


Querido arco-íris, obrigada por ser o mais gay dos fenômenos da natureza. Sempre feliz em te ver. Traz um sorriso pro meu rosto.


Acho a ideia da Leah super legal, principalmente porque hoje a gente usa tanto email, tanto msn, tanta mensagem de texto que acaba se esquecendo que um bilhete de papel, manuscrito, é muito mais amor, né? Eu valorizo tanto os bilhetinhos e notinhas carinhosas que tenho uma caixinha com muitos dos que troquei e recebi durante a vida, principalmente no colégio. Olha só:

Então, hoje, no Dia do Amigo, um beijo especial pra todos aqueles que são e que já foram parte importantíssima da minha vida. Esperem pelos meus bilhetinhos! hahaha

E você, também gosta de bilhetes, cartas e afins? :)

segunda-feira, 19 de julho de 2010

O cinema, a fantasia e a realidade


444 pessoas na comunidade do Orkut "Eu me apaixono por personagens".

Isso foi uma das primeiras coisas que me vieram à cabeça quando eu terminei de assistir o filme A Rosa Púrpura do Cairo, do mestre Woody Allen. O filme conta a história de Cecilia (Mia Farrow), uma mulher simples, que vive nos Estados Unidos na época da recessão, trabalha de garçonete e tem um marido desempregado e grosseiro. Sua diversão é ir ao cinema, assistir ao filme do título, A Rosa Púrpura do Cairo, que é bem estilo hollywoodiano antigo, um tanto melodramático, bonito de se ver e com final feliz. Daí, quando ela está assistindo o filme pela quinta vez, um dos personagens, que não aguenta mais vê-la no cinema, começa a conversar com ela, e simplesmente sai da telona e passa a viver como uma pessoa real, apaixonando-se perdidamente por Cecilia.

Até aí tudo bem, filme com temática bonitinha, metalinguagem muito bem utilizada. Mas e quando a gente começa a perceber que a história do filme não é só adorável, é também altamente identificável? Atire a primeira câmera quem nunca se imaginou vivendo uma situação de filme ou convivendo com algum personagem. Eu mesma já fiz isso nesse post, sobre namorados legais de filmes e tv (Chuck Bass, vem ni miim!!).

A questão em que eu quero chegar é: onde fica a divisão entre entretenimento e escapismo no cinema? Ou melhor, existe essa divisão?

Sempre tive a noção de que a arte, seja cinema, literatura, música, etc, tem o poder (e talvez a função) de nos dar uma folga da realidade, do stress, do marasmo, da falta que faz ter um filtro de spam na vida real. É clichê, mas eu acho válido. A arte consegue proporcionar diversão, emoção e até reflexões, mudanças de pensamento, de opinião (não tem uma máxima que diz que todo bom livro é um pouco de auto-ajuda? eu super concordo). Tem até uma frase de Nietzsche que diz: "Temos a arte para que a verdade não nos destrua".

Cecilia e sua diversão/fuga no cinema

O problema é quando se passa a pensar que (e lá vem outro clichê) a vida pode imitar a arte. Não digo que é impossível, mas convenhamos, é bem difícil que o cara mais bonito do colégio seja um fofo que se apaixona pela menina nerdona, ou que aquela cena do cara apaixonado se declarando pra amada no aeroporto, depois de ter feito ela perder o avião, aconteça sem complicações no nosso mundo, cheio de burocracias e revistas alfandegárias, né. Sabe quando aquele pessimista fala aquela frase super estraga prazeres, "Não é tão fácil assim"? Pois é, às vezes ele tem razão.

E Woody Allen brinca muito bem com isso em A Rosa Púrpura do Cairo. O personagem do filme até sai das telonas, numa fantasia pra deixar todas as românticas incuráveis suspirando. Mas ao sair da película, é hora de viver de verdade. E agora, José? Pensa que ele e Cecilia, o casal apaixonado, se vira bem? Nem tanto. Ao levar sua amada para jantar num restaurante de luxo, ele tenta pagar a conta com o dinheiro do cinema, que é de mentirinha. Os dois têm que sair do lugar correndo, sem glamour. E ao beijá-la, ele fica esperando que as luzes se apaguem e comecem a subir os créditos, para que eles possam finalmente desfrutar do "Felizes para sempre". Mas né, na vida real não é bem assim. O filme não acaba tão rápido, e Cecilia tem que deixá-lo para voltar para casa, para seu marido ogro. Quem curte?

Não sei dizer se tudo isso tem uma moral ou se deixa uma lição para nós, amantes do cinema e fugitivos da realidade. Não vou ficar dizendo que todos podemos ter um final feliz, que podemos superar todas as adversidades, e outras citações piegas que eu nem acredito muito. Acho que, em suma, não se deve condenar o cinema ou qualquer outra forma de entretenimento por serem apenas formas de escapismo para as pessoas. Mas também acho que, quando o filme acaba, a realidade chama de volta. E seria muito desperdício ignorá-la.

Além do mais, o que eu sei dizer é que o filme A Rosa Púrpura do Cairo é de uma beleza tocante, sensível e sutil. É encantador e triste ao mesmo tempo. E isso você há de concordar que a vida pode ser também, né? Se não é agora, pode ser um dia. Afinal, a gente tem bem mais de 90 minutos pra fazer nossas histórias :)

"I just met a wonderful new man. He's fictional, but you can't have everything"

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Dia do Rock - The Strokes



E chega ao fim a série em homenagem ao Dia do Rock! Hoje quem dá as caras por aqui são os Strokes, ótima banda de Nova York que tem um estilo mais de garagem, mais alternativo, mais indie, que e, afinal, o tema desse post. Na década passada e na atual pode-se observar a ascensão e o sucesso de várias bandas mais independentes, que, no fim das contas, viraram pop também. The Strokes foi uma das primeiras, e uma das melhores também. Destaco minhas três músicas preferidas deles: You Only Live Once (viciante), Juicebox (perfeita pra cantar gritando, hahah) e a mais famosa, Last Nite.

Assim como todos os outros tipos de rock que já falei aqui, o indie também deixa sua marca na moda, como veremos a seguir:

Estilo

Pra ser sincera, não sei definir muito bem o estilo indie, ou o estilo alternativo. Mas acho que, em geral, a galere que curte esse som se veste de com alguma semelhança, que envolve uma certa despreocupação com o visual, sem ser muito arrumadinho, toques brecholentos, jeans justos ou leggings e algum acessório estranho ou irreverente, hahah

repare no sapato. eu disse que os acessórios eram irreverentes..

Em relação a ícones da década em relação a look rockinho, não sei dizer uma pessoa que se destaque mais. Mas acho que duas atrizes e cantoras usam bem as referências musicais em seus favores. São elas:

Taylor Momsen, com um look bem rock, cheio de jaquetas de couro, muito preto e visual beeem desgrenhado, lembrando até a Courtney Love, citada no post anterior. Taylor tem uma banda também, a Pretty Reckless.

tenso esse último look, hein? piriguete feelings

E Zooey Deschanel, num estilo mais indie, retrô e mais divertido também. Zooey faz parte de uma dupla que tem um sonzinho pop meio alternativo, chamada She & Him

o alternativo fofo de Zooey Deschanel

Cinema

Acho que um filme que mostra bem esse negócio de bandas independentes fazerem sucesso, com muita ajuda da internet, é Uma Noite de Amor e Música (Nick & Norah's Infinite Play List). Um grupo de amigos segue uma banda alternativazinha em Nova York, tentando descobrir onde vai ser o show secreto. Tem uma trilha sonora delícia e é super leve, jovem, divertido. E tem Michael Cera no elenco, um ator que representa bem essa nova geração :)


E se você gostar de Strokes, ouça também…


Franz Ferdinand, Kings of Leon e The Killers


E assim termina essa série de posts em homenagem ao Dia do Rock. Gostaram? Preferem Beatles, janis Joplin, Nirvana ou Strokes? :)