quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Viagem na literatura


Lembram daquele post que eu fiz há pouco mais de um mês atrás, o Viagem no Cinema? Então, esse aqui é exatamente nos mesmos moldes. Só que dessa vez, apresento uma pequena viagem por terras diferentes que a gente pode conhecer na literatura. Sim, dizer que os livros levam a lugares desconhecidos e impossíveis é um clichezão. Mas vai, é divertido! E aqui eu vou focar nos lugares possíveis, uma simples e igualmente clichezona volta ao mundo. Vamo lá?


Assim como meu gosto para cinema se concentra majoritariamente em filmes americanos, meu gosto pra literatura pende bastante para as histórias que se passam no Reino Unido. A minha preferida delas é a do detetive Sherlock Holmes. A coleção dos contos dele (chamada de Cânone Sherlockiano) seempre tem a Inglaterra como plano de fundo, especialmente Londres, com seus becos e sua cena underground perfeitamente retratadas na época do fim do século XIX, começo do século XX. Eu sou suspeitíssima pra falar, amo Sherlock Holmes, já fiz até pesquisas e trabalhos sobre essa obra. Mas sério, recomendo muito. Ótimo entretenimento.

Quer mais? Se você curte histórias de detetives, indico a obra de Agatha Christie, cuja grande maioria dos livros se passa na Inglaterra. E claro, nunca se pode esquecer de um doa maiores ícones britânicos, Harry Potter. Também recomendo a série de Sophie Kinsella sobre a shopaholic Becky Bloom, personagem mais moderna, mais atual e mais gente como a gente, né! hahah



E voltamos às aulas de literatura do colégio! Hahaha, mas olha, eu defendo Fernando Pessoa. Tá certo que Alberto Caeiro exagera no bucólico e no proto-movimento hippie, mas existem coisas lindas desse cara aí. Vale a pena superar o trauminha das aulas chatas sobre o assunto e pesquisar a obra de Fernando Pessoa. ;)

França: Os Miseráveis


E falando de colégio, certeza que muita gente, assim como eu, deve ter lido esse aqui lá pela 6ª, 7ª série também, naquelas adaptações didáticas tão bonitinhas, haha. Eu conheci os Miseráveis assim, e até hoje é um dos meus livros favoritos. A história de Jean Valjean e Cossete é tão boa que, mesmo explorando cenários franceses tão diferentes, como o interior do país e as galerias subterrâneas de Paris, é, ainda assim, encantadora. Já vi esse livro em várias listas de "literatura fundamental" ou obrigatória para a formação cultural. Super concordo.



Outro grande clássico da literatura mundial, Dom Quixote de la Mancha e Sancho Pança nem são considerados apenas dois famosos personagens de um livro, mas dois grandes personagens da cultura geral, né. E o mais legal é que esse romance pega pelo humor, é uma paródia às novelas de cavalaria, sucesso na época. O personagem principal lia muito essas coisas, acha que é tudo verdade e decide se tornar um cavaleiro andante. Nessas andanças, ele passa por algumas regiões da espanha, como La Mancha, Aragão e Catalunha. Sempre cheio de aventuras, sempre vendo que a realidade não é bem como ele imaginava. Bem legal.



Então, eu fiquei pensando em qual livro escolher pra representar aqui a literatura americana. E percebi que, em toda vitrine principal de livraria, toda lista dos mais vendidos e até todo ano no cinema tem alguma coisa dele: Nicholas Sparks. O cara é tipo o grande nome dos romances da atualidade, né? Todas as histórias se passam nos Estados Unidos, mas as temáticas são bem diferentes. Vão desde um romance centralizado nos anos 40, em Diário de uma Paixão, um romance mais high school, em Um Amor Pra Recordar, até um romance com a Guerra do Iraque como um dos destaques, em Querido John. E um "fenômeno" legal é que os filmes baseados nos livros dele costumam ser muito bons também. Achei importante, portanto, destacar o Nicholas Sparks comoo representante da literatura pop americana do momento.



Outro super best-seller, O Caçador de Pipas, no entanto, viaja um pouco mais longe: Afeganistão. Mas, ao contrário das notícias que a gente geralmente ouve de lá, esse livro é extremamente sensível e bonito. Não deixa de entrar em fatos e conflitos políticos, mas o foco nas personagens crianças deixa tudo mais suave. O Caçador de Pipas já foi inclusive considerado por várias organizações como uma ótima forma de discussão sobre as questões históricas e culturais presentes no livro, que já vendeu mais de 8 milhões de cópias no mundo todo. ;)


Para terminar, um livro que tambéem é best-seller, mas é um pouquinho diferente, é uma autobiografia. A autora, Elizabeth Gilbert, narra sua viagem ao redor do mundo depois de um divórcio, e conta o que via e aprendia nessas viagens. Confesso que ainda não li, mas desde que foi lançado, não me falta vontade. Agora estou animada com o filme, que vai estrear daqui a pouco, em setembro. Já viu o trailer?


Enfim, aqui termina a minha viagem pela literatura. mas tenho certeza que existe mais uma infinidaaaade de livros que contam histórias que acontecem em lugares super legais desse mundo que eu não citei aqui. Você lembra de alguma? :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário