terça-feira, 7 de junho de 2011

5 histórias de amor adaptadas dos livros para o cinema

Tem uma cena do primeiro filme de Sex and the City em que a Carrie diz que escolheu se casar na biblioteca de Nova York porque lá era o lugar que reunia as maiores histórias de amor já escritas no mundo.

Achei lindo e muito verdadeiro. Mas né, e se a moda pega? Não ia ter biblioteca suficiente nesse mundo pra galere se casar. Iam ter que apelar pras antiquadas locadoras, o que, no fundo, não seria completamente nada a ver. Muitas daquelas histórias dos livros já foram e continuam sendo adaptadas para filmes, com um resultado frequentemente muito bom.

Por isso que esse post se destina a falar de 5 filminhos que contam numa outra linguagem artística tudo aquilo que fez a gente se apaixonar durante a leitura:

1. Orgulho e Preconceito


Não sei se sou só eu, mas sempre entendo os livros da Jane Austen mais como um retrato da sociedade inglesa da época do que como histórias de amor propriamente ditas. Mas, em se tratando de boas adaptações para o cinema, acho que Orgulho e Preconceito não podia ficar fora da lista. É encantador acompanhar durante o filme o rolo de Mr. Darcy e Elizabeth Bennet. Aliás, esse personagem Mr. Darcy, junto com os filmes da Disney, é um dos grandes responsáveis pelas nossas ilusões amorosas, como bem disse o Letters to Dead People.

2. Amor e Outras Drogas


Aparentemente, é só mais uma comédia romântica, mas a história de Amor e Outras Drogas teve início com o livro Hard Sell: The Evolution of a Viagra Salesman. O livro, na verdade, não fala nada sobre interesse amoroso algum, só fala sobre a indústria farmacêutica e tal. Pra você ver que aquela máxima de o livro sempre ser melhor do que o filme nem sempre é verdadeira. Porque né, o que seria dessa história sem personagem da Anne Hathaway?

3. Não Me Abandone Jamais


Um dos dramas mais pesados dos últimos tempos. Sério, ministério da saúde devia advertir que assistir esse filme num dia de tpm causa sérios riscos de depressão intensa. É uma história de amor, um triângulo amoroso entre amigos, com uma história que arrasa o coração mesmo. Não li o livro, e já vi comentários que a adaptação pro cinema não ficou exatamente fiel. Mas olha, ver Carey Mulligan e Andrew Garfield nesse filme já é, por si só, muito amor.

4. Te Amarei Para Sempre


Apesar de o título em português ser tipicamente bem tosco (o original é The Time Traveller's Wife = a mulher do viajante do tempo), o filme é bem bom e consegue fazer com que você entre na história e fique angustiado com os rumos que a trama vai tomando. Também é um drama que não vai ter musiquinha indie pop na trilha sonora, mas é bem construído e bonito de se ver (ainda mais com um casal principal formado por Rachel McAdams e Eric Bana, néam).

5. Qualquer um do Nicholas Sparks


Não tem como negar: além de best-seller, o cara também se deu muito bem com as adaptações de seus livros para o cinema. Todos fazem sucesso, e o mais incrível, todos os filmes, após a estreia, geram muito mais sucesso e muito mais vendas aos próprios livros dos quais foram adaptados. Nicholas Sparks tem histórias de amor bem dramáticas e românticas, mas, se você não tiver preconceitos, pode ver que são uma boa forma de entretenimento. Diário de uma Paixão é um ótimo exemplo. Clichê, talvez, mas certamente lindo.
Depois desses ótimos exemplos, aquela frasezinha paródia "Never judge a book by its movie" nem parece fazer mais tanto sentido, né? :)

Um comentário:

  1. Eu sou apaixonadíssima por Orgulho e Preconceito, mas também notei que mais retrata a época do que a história de amor... É tudo tão subentendido, você praticamente tem que catar os momentinhos, colar tudo e ver a história.
    Talvez seja por isso que eu ame tanto. Tipo, a gente vira meio autor, porque tem que imaginar grande parte. Também personagem, porque tem que entrar no papel de cada um e sentir o que eles sentem para captar a essência.

    ResponderExcluir