quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Para curtir um clima retrô

.
Não sei se sou só eu, mas alguém mais achou que esse mês de agosto não ia acabar nunca? Com 31 dias e nenhum feriado ou coisa que o valha, foi difícil viver assim, né. Tanto que eu, na minha genialidade (NOT), achei que seria de bom tom usar essa questão do tempo para falar de filmes que têm um espírito mais retrô. Isso não quer dizer simplesmente filmes de época. Filme retrô de verdade tem que ter incutido aquele sentimento de nostalgia, tem que transmitir aquela saudadezinha estranha e incoerente, e aquela vontade de abandonar computador, iphone e tudo o que a gente tem de tecnologia só pra sair dançando pela casa ao som de um disco de jazz tocado num gramofone, como fazem os personagens.

Revirando meu baú minha memória, achei alguns filmes que, na minha opinião, tem histórias delicinha de assisir e super podem agradar tanto você quanto a sua avó ;]

Meia Noite em Paris


Meia Noite em Paris é a história de um nostálgico, né. Impossível não se identificar um pouquinho que seja com o drama de Gil Pender, um escritor frustrado que gostaria de viver nos anos 20, na efervescência culural de Paris. E quem não quer, não é verdade? O diferencial é que ele consegue ter essa experiência, e o resto é spoiler. O legal é que o filme é, ao mesmo tempo, escapismo e choque de realidade. E ótimo,claro.

A Era do Rádio


Assim como Meia Noite em paris, A Era do Rádio também é um filme de Woody Allen, e como tal, ambém tem sua altíssima dose de nostalgia. Nostalgia é o tema do filme, aliás. Um pequeno alter-ego de Woody vai contando as histórias de sua infância, misturadas com histórias das estrelas de rádio de antigamente. Entretenimento fácil, rápido, de qualidade absurda e, acima de udo, encantador.

Piratas do Rock


Mais um filme que fala sobre os anos de ouro do rádio, só que de uma outra forma, em um outro contexto. Uma das histórias mais originais - ainda mais por ser baseada em uma história real - Piratas do Rock fala sobre uma rádio pirata cuja sede era num navio ancorado no meio do mar. E a rádio vivia na clandestinidade porque tocava rock, 24 horas por dia, enquanto todas as outras, por influência do governo inglês, ainda repudiavam o nosso querido rock'n'roll. Muito divertido, e faz com que mesmo quem é viciada em Ipod tenha vontade de viver numa época em que as rádios eram referência em música. (Falando em música, a trilha sonora do filme é assim, sensacional)

De Volta Para o Futuro


O clássico dos anos 80 merece toda a fama que ganhou porque soube brincar com essa questão do tempo de uma forma divertida e ao mesmo tempo sensível. Porque quem nunca imaginou como eram a vida, a cidade, os costumes na época em que nossos pais se conheceram? Quem nunca imaginou que choque seria de colocássemos as ideias, o jeito de falar, de vestir do presente de frente com os do passado? É bem aquela coisa de "saudade do que não vivi". Só que sem pieguice e sentimentalismo.

Musicais antigos


Acho que se eu perguntasse pra minha avó do que ela gosta mais, de faroeste ou musicais, ela não saberia responder. Mas eu sei que puxei só a segunda opção (nunca consegui assistir um filme de faroeste até o fim, prontofalei. coisa chaaata…). E né, tem como não amar musicais antigos, com estética impecável e atrizes/cantoras que são referência até hoje? Destaco aqui três dos meus favoritos: A Noviça Rebelde, Os Homens Preferem as Loiras (pra mim é o melhor da Marylin) e meu preferido de todos, Agora Seremos Felizes.

Eu tinha uma amiga que dizia que odiava tudo que era de época, só assistia produções com cara de atuais. Mas gente, depois desses exemplos de filmes retrô, me diz, comoo não se deixar encantar por essas coisas com cara de velhinhas? ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário