terça-feira, 13 de setembro de 2011

A Batalha das Bandas Gêmeas

.
De vez em quando, acho que eu acerto o ponto com os posts desse blog. Um dos meus preferidos, que foi muito, muito legal de fazer, é "A Batalha dos Filmes Gêmeos", que também é um dos mais populares ever - graças ã Lia, que retuitou :). Depois desse, resolvi fazer o "A Batalha das Músicas Gêmeas", e qual não foi a minha surpresa quando encontrei exatamente a mesmíssima pauta, feita do mesmo jeito, no site da Entertainment Weekly, a revista que eu mais adoro no mundo. Ok que isso nem quer dizer muita coisa, mas pra mim é legal saber que às vezes minhas ideias de fato dão algum pequeno fruto *-*.

Pois bem, depois desses dois exemplos, impressionantemente eu ainda consigo ter mais uma ideia de sequência para posts no estilo "coisas gêmeas", haha. Dessa vez, o tema são bandas que não necessariamente compartilham do mesmo estilo ou gênero musical, mas tem um ponto em comum: o nome, parecido, semi parecido ou quase idêntico.

Veja bem, eu tenho noção de que comparar bandas exclusivamente por seus nomes de batismo é uma atitude um tanto incoerente e perigosa, mas é aqui que eu peço que entre o seu bom humor e a sua compreensão para entender que isso é apenas um simples post voltado ao entretenimento, totalmente desprendido de rótulos ou fanatismos. E olha, fiqie você sabendo que eu acho que deveria ganhar algum crédito só pelo fato de ter deixado minha infamidade falar mais alto e não ter feito comparações esdrúxulas, como RPM e REM.

Enfim, sem mais blablabla, aprecie "a batalha das bandas gêmeas":


Micro-perfil das bandas: The Kills é uma banda formada por uma americana e um britânico, existe desde 2000, tem um som classificado como garage rock e é altamente comparada com White Stripes. The Killers é uma banda formada por quatro americanos, existe desde 2002, tem um som rockinho mais dançante, por vezes comparado com músicas dos anos 80, tipo Bruce Springsteen. The Kills tem seu lado bem alternativo, e só triscou num pouquinho mais de fama este ano. The Killers estourou em 2004, e desde então, a banda se mantém bem conhecida na cena musical atual.

Música-referência de cada uma: 
The Kills: Cheap and Cheerful X The Killers: Somebody Told Me

E o #winning vai para: The Killers. Apesar de ser dois anos mais jovem que The Kills, a banda tem muito mais história e mais perspectivas. Tanto que foi difícil escolher apenas uma música referência com tantas outras boas, como Mr. Brightside e Read My Mind.



Micro-perfil das bandas: Ambas são bandinhas com um quê de alternativo que começaram a fazer sucesso nos últimos meses. Black Keys é uma dupla formada por dois americanos, existente desde 2001 que faz um som classificado como blues-rock. Black Lips é uma banda de quatro integrantes dos Estados Unidos cujo som é um pouco difícil de definir: pode ser chamado de rock psicodélico, punk rock, indie punk, whatever. A grande diferença entre as duas é que Black Keys é mais rock mesmo, e Black Lips não se leva tão a sério, tem um estilo mais desapegado, mais engraçado até, eu diria.

Música-referência de cada uma:
Black Keys: Tighen Up X Black Lips: Bad Kids

E o #winning vai para: Black Keys. Adoro o estilo da Black Lips, mas é inegável que Black Keys já está em um nível superior: já foi indicada a prêmios, tem fãs famosos (Thom Yorke, o guitarrista do Metallica, o baterista do Artic Monkeys...) e já é considerada uma aposta certa na música.



Micro-perfil das bandas: The Kinks é uma banda britânica que ficou em atividade de 1963 a 1996. É considerada uma das bandas de rock mais importantes do contexto da Invasão Britânica nos anos 60, e fazia aquele rockinho delícia e bem típico, no estilo de Beatles a The Who. The Kooks já é bem atual, formada em 2004. Tem quatro albuns lançados e um som claramente indie rock.


E o #winning vai para: The Kinks. A banda tem músicas de fato ÓTIMAS, faz parte de um período sensacional da música, ou seja, tem toda uma história que não pode ser deixada de lado, enquanto o The Kooks tem muito chão pra percorrer ainda.



Micro-perfil das bandas: Você pode estar achando estranho, já que as bandas nem têm nomes tão parecidos assim. Mas olha, não fui eu que pensei nessa relação entre as duas. Sabia que o líder do Linkin Park, Chester Bennington, achou, entre outros motivos, que seria legal colocar esse nome na banda porque era similar a Limp Bizkit, e isso faria com que o LP ficasse do lado do LB na prateleira de discos? Haha, estratégias de marketing a parte, tanto Linkin Park quanto Limp Bizkit são bandas americanas formadas nos anos 90, conhecidas por ter um estilo bem rock - LP pendendo algumas vezes para o rap e LB para o metal.

Música-referência de cada uma:
Limp Bizkit: Behind Blue Eyes X Linkin Park: In the End

E o #winning vai para: Linkin Park. Porque, apesar de eles terem de certa forma se "inspirado" no Limp Bizkit no começo da carreira, eles conseguiram ultrapassar absurdamente o LB, tanto em qualidade e tempo de atividade quanto em número de albuns lançados, vendidos e prêmios ganhos.



Micro-perfil das bandas: Johnny Cash é considerado um dos maiores artistas country de todos os tempos, e teve uma carreira que durou quase cinco décadas (ele morreu em 2003). Johnny Nash começou a carreira como ator nos anos 50, mas depois se enveredou pela música, mas não chegou a ter uma fama individual muito arrasadora. Seus últimos trabalhos datam dos anos 80.

Música-referência de cada uma: 
Jonny Cash: Hurt X Johnny Nash: I can see clearly now

E o #winning vai para: Johnny Cash. Além de ser referência eterna do country, o cara tem um clipe considerado como o melhor de todos os tempos e tem um filme (Johnny e June, ganhador de Oscar, do qual já falei mais aqui) dedicado a sua vida com sua esposa, June. E Johnny Nash…difícil dizer que alguém sabia quem era Johnny Nash até este momento, né..


Agora, me restam muitas dúvidas: e você, concorda comigo na decisão das "batalhas", discorda, me acha ridícula por ter feito comparações nada a ver, lembra de mais bandas com nomes parecidos, tem mais ideias para posts tipo esse? ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário