quinta-feira, 8 de setembro de 2011

I ♥ Power Pop

.
Não sei se sou só eu, mas de vez em quando percebo uma euforia da imprensa em geral quando se descobre uma tendência, um fenômeno ou um movimento, por menor que ele seja. Isso rola já há algum tempinho desde que descobriram aqui no Brasil o negócio do bullying, e já li duas ou três matérias sobre algo que estão chamando de "gastronomia intelectual" ou algo assim, que consiste em um novo grupo de pessoas que agora dedicam seu tempo livre a estudar sobre gastronomia e ir exibir seus conhecimentos em restaurantes phynos, criticando o chef e os pratos, ou mesmo em casa, bancando o gourmet para os amigos. Meio que uma mistura de eco-chato com enólogos esnobes.

Enfim, se você, amado leitor, leu toda essa enrolação até aqui, me desculpe, mas a verdade é que o que eu disse acima pouco ou quase nada tem a ver com o tema desse post. O fato é que eu vim aqui hoje pra falar que eu também descobri uma nova definição: o Power Pop. Como subgênero da música pop, ele já é bem mais desenvolvido e divulgado do que o ainda juvenil Sugar Pop, mas também é um assunto que é bem legal de se saber um pouquinho mais - e ouvir um pouquinho mais também, claro ;)

A bíblia da internet (também conhecida como Wikipédia) define o Power Pop como um tipo de música inspirada no pop/rock dos anos 60 na Inglaterra e nos Estados Unidos (dizem que é uma mistura de The Who com Beatles e Beach Boys, o que do meu ponto de vista parece ótimo, né). Musicalmente, é caracterizado por melodias e vocais fortes, porém com um arranjo puro, sem muita firula e sofisticação, com destaque mais para os riffs de guitarra e a bateria marcante e viciante - num ótimo sentido. Basicamente, é pop/rock dos anos 60 depois dos anos 60. Basicamente, tem como não amar?

Pesquisando um pouco, achei alguns ótimos exemplos de Power Pop que você já deve ter ouvido por aí sem saber que faziam parte desse subgênero. Olha só:


Um dos mais lembrados exemplos veio da banda Farrah, com a música I Wanna Be Your Boyfriend. Qualquer semelhança não é mera coincidência: essa música te lembrou Girlfriend, da Avril Lavigne? Pois é, a cantora foi processada por plágio por ter feito uma música com "inspiração" tão forte.


Nos anos 90, um cantor galã do momento - Rick Springfield - fez uma música ótima sobre um cara que quer pegar a namorada do amigo: Jessie's Girl, um exemplo de Power Pop já influenciado por uma pegada oitentinha. Recentemente, Jessie's Girl ganhou sua versão em Glee, no que eu considero uma das melhores interpretações de Cory Monteith.


Nos anos 80, outra música do Power Pop teve destaque, inclusive excedendo os limites da década e até mesmo do gênero musical. What I Like About You, do The Romantics, é tão boa e tão contagiante que já ganhou quatro covers - o mais famoso deles foi o da banda Lilix, que, se você foi uma adolescente de respeito na última década, com certeza já teve a oportunidade de ouvi-lo nas tilhas sonoras dos filmes Sexta-Feira Muito Louca e De Repente 30. O nome da música foi também inspiração para o a série de TV homônima, estrelada por Amanda Bynes.


De novo nos anos 90, o representante do Power Pop da vez deixa completamente na cara esta inspiração, em todos os aspectos: na melodia, na letra, no clipe e no nome da música em si. Como resultado, Buddy Holly, do Weezer, é aquele tipo de música que a gente não consegue não achar fofa e irresistível.


Apesar de o Power Pop ser um gênero musical inspirado em músicas de um passado nem tão recente assim, o Ok Go é a prova que sempre dá pra atualizar e modernizar as coisas sem perder a qualidade. A música Here We Go Again estourou como hit do youtube, mas tem os ingredientes infalíveis do Power Pop: melodia fácil, bateria que funciona e aquela pitada pop essencial.

Para terminar, uma pequena amostra de que o Power Pop é tão "power" que não se restringe ao mundo real. O filme The Wonders - O Sonho Não Acabou é bem aquela coisa de a vida imita a arte. O longa conta a história de uma banda americana que começa a fazer sucesso nos anos 60. As músicas da trilha sonora do filme não poderiam sair desse contexto, e assim, o single principal da banda fictícia se configura como um ótimo exemplo de Power Pop!


Para quem quiser saber mais sobre o assunto, a Amazon está cheia de exemplos pra o vosso deleite. Vida longa ao power pop :)

Um comentário:

  1. Muito legal teu texto. Sou principal autor do verbete Power Pop na Wikipédia, o que não significa muita coisa.

    Só gostaria de registrar o fato de que I Wanna Be Your Boyfriend é da banda californiana The Rubinoos: http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Rubinoos

    Mas não conhecia a versão da banda Farrah. ;)

    Mes despeço mandando um clássico, The Trains, da banda The Nashville Ramblers: http://www.youtube.com/watch?v=sLu_V6MNdbw

    ResponderExcluir