terça-feira, 4 de outubro de 2011

O que faz uma boa balada?

.
Se você achou que a resposta para essa pergunta é um grupo de amigos animados, um bom Dj e muitas doses de tequila, lamento dizer que este post não vai corresponder às suas expectativas. Hoje é dia de rock, bebê de falar de outro tipo de balada (que também não é a do eldredon :P).

Sabia que a música Someone Like You, da incrível Adele, é a primeira balada em três anos a alcançar o primeiro lugar do Top 100 da Billboard? A última tinha sido Take a Bow, da Rihanna. A reportagem sobre isso é bem interessante, compara cada epoca com as músicas que chegam ao topo, etc. E tenta desvendar o porquê de uma música mais lenta e de uma cantora não americana fazer tanto sucesso assim.

A balada na cultura pop é entendida como uma música que conta uma história. Em 99% dos casos, de amor. Toda banda e/ou cantor pop/rock que se preze coloca pelo menos uma balada no disco e no show, primeiro porque é necessário um momento mais calminho entre as músicas mais animadas e segundo porque a verdade é que todo mundo adooora ouvir uma boa música romântica, né, gente? Quem nunca chorou e sonhou acordado algumas muitas vezes com baladjenhas, não é verdade?

Parando pra pensar mais seriamente (cof cof) no assunto, coloquei aqui  5 fatores (sem ordem de importância) que podem fazer de uma balada AQUELA música, aquela que vai fazer você ouvir e lembrar de alguém querido (ou nem tanto), que vai fazer você perder a voz de tanto gritar o refrão num show, enfim, aquela música triste que pode te fazer tão feliz, haha. Veja só:

1º fator: Boa letra

Não é uma das coisas mais broxantes do mundo quando a gente ouve uma música linda, se apaixona pela melodia mas, quando vai ver a letra direitinho, encontra um monte de versos que não fazem sentido algum? Pois é, pra uma balada ser boa mesmo, é imprescindível que tenha uma boa letra. Mais do que isso, é bom também que a música tenha versos originais, coisas que a gente nunca ouviu antes. Veja bem, não que eu seja contra uma cafonice de vez em quando; um clichezão também pode ser bem-vindo. Mas é muito mais legal quando a gente pode cantar aquela frase super verdadeira, que expressa um sentimento que ninguém tinha conseguido colocar pra fora ainda, né?


Pra mim, depois de Someone Like You, Jar of Hearts é a melhor balada dos últimos tempos. Justifico com essas frases cheias de amargura, de ressentimento e, ainda assim, geniais:
"I wish I had missed the first time that we kissed" (Eu gostaria de ter perdido a primeira vez que a gente se beijou)
"You're gonna catch a cold from the ice inside your soul" (Você vai pegar uma gripe do frio dentro da sua alma)

2º fator: Bom drama

Lembra que no parágrafo acima eu disse que curtia um clichezão e uma cafonice musical também? Hahaha, faço questão de confirmar este meu posicionamento. Porque gente, vamos combinar: o amor é clichê. A música pop se empenha em reforçar esse conceito todos os dias, tô mentindo? Então porque negar essa veia brega que existe dentro de nós? Isso não quer dizer que seja cool sair por aí cantando Tetê Espíndola no metrô (já vi, sério), mas acho super ok assumir que uma boa balada pode, sim, ter aquela pegada romântica, cafona e absolutamente irresistível.


Destaque para esse episódio de Glee (1X10), só sobre baladas e um dos melhores da série.

3º fator: Bom refrão

Essa na verdade é uma característica que serve pra todos os tipos de música, mas enfim. A verdade é que, em matéria de música pop, sem um bom refrão fica difícil de aguentar. Não estou dizendo que música boa é aquela que segue o modelinho padrão (1ª parte + refrão + 2ª parte + refrão + ponte + refrão). Mas o refrão tem que ser aquela parte aguardada, quando você sabe que vai poder colocar os pulmões pra fora de tanto cantar. Aquela parte em que as emoções se concentram mais fortemente. Aquela parte em que, mesmo se a pessoa não deu a mínima para a música até então, quando chega no refrão ela é irremediavelmente conquistada.


4º fator: Boa interpretação

Ok, essa faz mais sentido para as atrizes/cantoras frustradas como eu, e está diretamente ligada àquela premissa do drama. É uma questão puramente de influência. Não dá a impressão, quando o (a) artista interpreta de verdade, coloca emoção quando canta, de que a música é muito, muito melhor e mais forte do que se a pessoa canta como se fosse "parabéns pra você"? Essa é uma lição que aprendi no Ídolos, hahaha: o cantor tem que saber interpretar, senão não consegue se conectar com o público. E se uma balada não for bem interpretada, não tem o menor brilho.


5º fator: Boa história

A regra é clara: se balada é originalmente uma música que conta uma história, é de se esperar que essa história seja boa, né? Portanto, é responsabilidade do compositor e do cantor colocarem todos os outros fatores juntos e criarem algo com que as pessoas possam não só se entreterem, mas se emocionarem, se identificarem. Isso que eu vou falar vai soar bem coxinha, mas vá lá: quando a letra, a entonação e a interpretação da música que foi produzida num lugar bem longe, por alguém que você nem conhece, conseguem chegar até o seu interior, seus sentimentos, sua intimidade pessoal (e passional), aí sim, acho que podemos dizer que temos uma boa balada.



Os exemplos que eu dei são apenas algumas músicas que eu gosto e que me ocorreram na cabeça agora, mas tenho certeza que tem váarias outras baladas muuito boas, e não só de pop, de rock e r&b também.
E aí, deu vontade de fazer a emo e cantar chorando com belas canções de amor? hahah ;)

Um comentário:

  1. haha pior que deu.
    todos os argumentos são otimos.
    esse tipo de musica cai como uma luva quando estamos apaixonados.

    ResponderExcluir