quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Princesas Disney em capas de revistas

.
Vamos então a mais uma versão de fan art feito com as Princesas Disney!

Dessa vez, a criatividade inesgotável acerca das garotas ficou por conta da artista Petit Tiaras. Quer dizer, criatividade entre aspas, porque colocar as princesas num desenho que imita capa de revista é uma arte que já foi feita (que você pode ver aqui). O diferencial dessa nova série, intitulada de As Pretty As a Princess é que, além de os desenhos serem muito mais similares à imagem que a gente conhece delas, cada princesa está na capa de revistas diferentes, todas consagradas publicações de moda e beleza.






Dá pra ver todas as imagens ampliadas no tumblr oficial da artista :]

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O que os filmes e séries podem nos ensinar sobre a arte de blogar

.
Semana passada, completei, quase sem perceber, 400 posts neste blog. É, entre posts improvisados em 2 minutos e posts que me exigiram madrugadas de trabalho, já apertei o botão "publicar" mais de 400 vezes aqui. 

Um número redondo como esse me deixou meio reflexiva, haha. Porque a verdade é que eu já posto neste blog há pouco mais de um ano e meio, mas, em geral, acho que ainda me sinto uma principiante. Ainda não sei analisar se um post que eu fiz vai ser elogiado ou vai passar totalmente desapercebido, não sei quantos dos meus seguidores no reader realmente leem as coisas que eu escrevo e não sei se o blog vai crescer e um dia eu vou viver só dele (#vaisonhando) ou se um dia eu vou ficar de saco cheio e simplesmente abandoná-lo. Talvez eu nunca saiba.

Mas, nesta busca por conhecimento (ET Bilu feelings), que dura desde quando abri os trabalhos aqui, já li uma série de posts com dicas pra ter um blog legal e etc. Acho que chegou a hora de fazer o meu próprio post desse tipo. Não só com as minhas impressões e opiniões sobre o assunto, mas principalmente com o que dá pra aprender sobre escrever e blogar com os filmes e séries de TV. O resultado final foi uma listinha de 8 itens, que você lê abaixo:

• Duas palavras: consistência e frequência


Carrie Bradshaw não chegou a ser uma das personagens literárias mais famosas de Nova York de uma hora para outra. Ela teve que trabalhar muito, passar muitas horas em frente ao computador (e aprender a lidar com ele) para estabelecer sua reputação e sua posição de sucesso. Foram anos escrevendo sua coluna no jornal New York Star, que saía uma vez por semana, toda semana. Porque ninguém chega a ter três livros publicados e um posto de freelancer regular da Vogue assim, sem mais nem menos.

Em suma, temos que encarar o fato de que blogs exigem dedicação, sempre. É quase um slogan: quem ama atualiza. Se você tem dificuldades (leia-se bloqueio criativo ou preguiça, ou os dois), estabelecer uma rotina pode ser um caminho. Eu não acho que posso ser considerada um exemplo para nada, mas ter uma rotina blogueirística (de postar em todos os dias úteis, sem desculpas) é o que me ajuda, o que me obriga, num bom sentido, a exercitar a produção de conteúdo. Caso contrário, certeza que o meu destino seria o mesmo das promessas de ano novo: a gente faz um dia só e nunca mais.

• Escreva sobre o que você conhece


Foi o primeiro parágrafo do primeiro texto de Serena van der Woodsen, de Gossip Girl, em seu blog no NY Spectator: "Muitas pessoas falam sobre mim. Mas na grande maioria das vezes, elas não sabem do que estão falando" (ou algo similar, nesse sentido). Por isso, a motivação dela era escrever para mostrar o que realmente rolava no mundo dos Upper East Sidders, que ela conhece melhor do que ninguém.

Não acho que seja necessário ser especialista em algum assunto para fazer um blog (caso contrário eu não teria batizado este blog justamente de Clueless, néam). Mas acho que é o básico escrever sobre algo que você goste bastante, tenha intimidade, saiba falar sobre, saiba onde buscar informações sobre. Porque deve ser uma coisa bem complicada querer escrever sobre um assunto sem ser consumidor(a) dele. Quer dizer, se não se interessar e acompanhar esse nicho de perto, vai ser difícil pensar em posts interessantes para o seu blog e conquistar leitores. E isso vale para qualquer assunto.

• Explore diferentes tipos de mídia


Em A Mentira, depois de ter sua vida virada de ponta cabeça com vários boatos espalhados pela escola, Olive (Emma Stone) decide fazer um webcast para explicar para todo mundo o que realmente havia acontecido em sua vida nas últimas semanas. 

Não quero dar spoiler nem nada, mas acho que a experiência mostrada no filme é bem inspiradora pra quem quer contar histórias de um jeito não tão óbvio e não tem vergonha da câmera, haha. Acho que a utilização de material em vídeo tem dado super certo com blogueiras de beleza e com os vlogueiros em geral. Porque o vídeo oferece uma visão muito mais abrangente e pessoal do blogueiro: dá pra ver as expressões, ouvir a voz, o jeito de falar, o "cenário" ao redor. Na minha opinião, acho que produzir material em vídeo, ou qualquer outro tipo de mídia (audio, infográfico, o que sua imaginação quiser) é um diferencial, e agrega muito mais simpatia à pessoa ;]

• Mantenha fontes de inspiração


A personagem principal de Vestida para Casar não é blogueira nem nada, mas ela tem um assunto do qual gosta muito: casamentos. E ela encontrou numa coluna de jornal sua fonte de inspiração sobre o tema. Jane (Katherine Heigl) lê todos os textos e guarda aqueles que mais a emocionaram, sempre sonhando com o dia de seu próprio casamento.

Deixando esse sentimentalismo um pouco de lado, a atividade de Jane é em si muito inspiradora para toda blogueira wannabe. Porque criatividade é sinônimo de informação. Só consegue pensar em ideias bacanas, em pautas interessantes, quem tem informação suficiente na cabeça, na memória, quem está por dentro mesmo do assunto. Por isso que vale muito a pena ler bastaaaante, sobre tudo, manter uma lista de blogs que você admira, que seguem mais ou menos a mesma linha que o seu, ser uma fã de verdade, haha. Todo post legal tem sempre uma bagagem cultural do blogueiro como plano de fundo.

• Cuidado com o oversharing


Você deve se lembrar do comecinho de A Rede Social, onde nosso glorioso Mark Zuckerberg chega em casa, depois de ter tomado um pé na bunda da namorada, e escreve um post em seu blog detonando a garota. Daí pra frente surge toda a ideia e os problemas que ele viria a ter com o seu, o meu, o nosso Facebook.

A história dele pode até ter dado super certo no final, mas eu acho que, em geral, podemos considerar que fazer um oversharing da vida pessoal não é muito aconselhável. Claro que muitas vezes nosso instinto gossip girl quer saber os babados da blogosfera e da vida pessoal de quem posta, mas vamos sempre lembrar que o autocontrole nas redes sociais e blogs é um dom. Principalmente quando o assunto em questão é negativo (uma briga, má impressão e experiências ruins como um todo). Sabe quando alguém está sendo inconveniente e todo mundo percebe, menos a pessoa? Então.

• Popularidade é legal, mas reconhecimento verdadeiro é melhor ainda


Na atual temporada de Gossip Girl, Dan Humphrey está fazendo sucesso com o livro que escreveu, Inside. Ele seguiu bem a regra de escrever sobre o que conhece, talvez bem até demais. O livro fala sobre todos os personagens principais e as relações entre eles, só que utilizando pseudônimos. Mas é claro que todo mundo descobre quem é quem na trama, e não gostam da maneira como são descritos pelo autor…

Eu trabalho num grande portal de internet, e posso falar, não é tão difícil assim um post dar bastante clique. As notícias bizarras, que envolvem violência ou com alguma conotação negativa sempre estão entre as mais clicadas (na última semana a líder de cliques foi a Gracyane Barbosa na capa da Sexy, reflitam). Quer dizer, conquistar popularidade na internet é possível. O tempo que você vai levar para isso depende do caminho que você quiser seguir. Produzir um post que viraliza ou fazer sua reputação com base em comentários negativos sobre tudo certamente renderiam alguma fama. Mas acho que, se a ideia é levar o blog com alguma seriedade, produzir conteúdo legal, criativo e com dedicação gera frutos muito melhores. Pelo menos e nisso que eu tento acreditar todos os dias.

• Dê sua própria visão ao assunto


 Becky Bloom era uma jornalista que amava moda, mas teve que trabalhar numa revista de economia. Logo ela que literalmente congelava o cartão de crédito para não gastar. Mas Becky deu uma ótima solução para o problema: começou a escrever uma coluna sobre como tentar controlar melhor suas finanças.


A gente vive em um mundo em que milhares de blogs coexistem, e a cada dia mais um onte deles são criados. Quer dizer, pra se destacar não tem outro jeito, a identidade que a gente mostra e o jeito como a gente bloga importa sim, talvez tanto quanto o assunto do post ou a abordagem que você faz dele. E ter um estilo próprio que seja agradável e atrativo pra quem lê não é NADA FÁCIL. Mas também não é impossível. Pequenos detalhes podem fazer a diferença, como recursos de texto que só você usa ou tipos de tag e posts que só você faz (acho que a Thereza, do Fashionismo, é um ótimo exemplo disso :).


• Mergulhe no assunto que você escolheu


Mais uma lição de nossa amada Carrie Bradshaw. Em seis temporadas, já reparou que ela nunca ficou totalmente sem assunto pra escrever, mesmo quando não estava em um relacionamento? Isso acontecia porque, além de ter três ótimas fontes de inspiração (leia-se amigs) Carrie sempre se jogava no universo explorado em seus textos, sempre saía para ver a cidade e ter novas experiências, sejam elas uma sessão de terapia, uma balada em boate gay ou uma aula de sexo tântrico.

Acho que essa é uma dica que meio que tem relação com todas as outras, e meio que é uma das mais importantes. Você confiaria no texto de alguém que parece que não sabe do que está falando? Você clicaria em "ler mais posts) num blog em que tudo parece copy+paste de textos conhecidos ou notícias já publicadas? Então. Ter conhecimento é tão importante quanto saber mostrar conhecimento, e para conquistar o interesse dos outros, é preciso ter interesse próprio primeiro. Aquele papo de nerd de "nunca parar de estudar" vale para blogs também, seja ele do nicho que for. Mas sem drama: pelo menos para mim, a verdade é que, quanto mais se escreve e se pesquisa um assunto, mais se tem vontade de saber mais e aprender mais sobre ele :)


Mas acho que, de todas as lições que podemos observar nos filmes e séries, tem uma que não foi dita e é fundamental: o blog é, antes de tudo, uma diversão. Claro que dá trabalho, e que deve ser levado à sério. Mas se ele é seu, tem a sua cara e é você que manda e desmanda nele, porque não fazer desta uma experiência proveitosa em sua vida? 400 posts depois, acho que essa é a maior lição que eu aprendi aqui ;]

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Tumblr legal do dia: Fuck! I'm in my twenties

.
Agora que estou a poucos dias de finalmente entrar na casa dos 20 anos, acho que encontrei um tumblr para chamar de meu.

O Fuck! I'm in my twenties é muito facilmente identificável, mesmo se você ainda não chegou nessa idade ou mesmo se já passou. Ele é recheado por pequenas notas, escritas a mão, temperadas com um tanto de pessimismo e muito do que é ser jovem hoje em dia, em termos de relacionamentos (sempre complicados), internet, cotidiano, etc.

É tipo um Reality Bites, em forma de tumblr.







Tudo levemente familiar... ;)

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Black Friday feelings

.
Brasil: este país que faz questão de importar coisas de gosto duvidoso, tipo Justin Bieber e hipsters, e não nacionaliza coisas lindas da vida, tipo a Black Friday. Ok, você pode argumentar que a Magazine Luiza e a Fnac até fazem seus descontos. Mas pra mim, não será Black Friday enquanto empresas como a Livraria Cultura e a Renner não fizerem promoções absurdas que me façam acampar na porta das lojas, dominada pelo meu instinto consumista/burguês/porco capitalista.

Mas, enquanto este dia não chega, decidi manter a tradição que tenho desde o ano passado (risos) de fazer esse postzinho aqui com a minha wishlist de bens materiais que pretendo possuir - se possível. Alguns são acessíveis, outros são risíveis, mas enfim, independente do seu poder aquisitivo, queria só avisar que meu aniversário já tá aí e acima de tudo, acredito mesmo que os produtos são todos de boa qualidade e boas sugestões de presente para quem quer que seja. Então, ficam as dicas:


Alguns têm valor pessoal, outros têm importância no meu desenvolvimento acadêmico (parece lero lero mas é sério, haha), mas o mais importante é que todos têm potencial para serem grandes fontes de entretenimento (e possivelmente se tornarem assunto neste blog :)

DVDs
• Glee - A 2ª Temporada completa - R$ 129,90 na Livraria Cultura
• O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas - R$ 24,90 na Livraria Cultura
• Caindo na Real - R$ 26,90 na Saraiva
(Já falei um pouco sobre estes dois filmes neste post aqui :)

LIVROS
• Rock She Wrote: Women Write About Rock, Pop and Rap - U$ 13,36 na Amazon
• Gaveta de Bolso - R$ 39,00 na Livraria Cultura
• As Esganadas - R$ 36,00 na Livraria Cultura
• Crônicas para ler na escola: Marcelo Rubens Paiva - R$ 32,90 na Saraiva
• The Lover's Dictionary - R$ 46,50 na Livraria Cultura
• This is a Call - The Life and Times of Dave Grohl - U$ 16,80 na Amazon



Essa é a parte do post em que você chora de raiva e pergunta (para seus pais, para Deus, para a vida): por que eu não nasci RHYCAA?

1. Sapato dourado com glitter da Miu Miu - U$ 630 na Net-A-Porter
2. Camiseta Let it Be na Q-Vizu (vi num post do Fake-Doll)
3. Anel de caveira - R$ 46,00 na Amo Muito
4. Esmalte metálico da Chanel. Não sei a cor, não sei o preço, mas vi ao vivo o tom do esmalte dessas fotos e olha, é uma coisa asism, hipnotizante de tão linda.
5. Toda a coleção de verão da Santa Lolla. Principalmente os scarpins, sapatilhas e rasteirinhas com tachas <3
6. Minha festa de formatura será apenas em 2013, mas já comecei a juntar algumas referências para um possível vestido. E todas as minhas referências giram em torno dos modelos de Elie Saab. Pode pedir pra costureira fazer um inspired já?

Eu estaria mentindo se disesse que não esperei o ano inteiro pra fazer esse post, haha. Agora, o negócio é trabalhar pra poder colocar o cartão de crédito pra funcionar e ser feliz nas compras de fim de ano ;)

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Quote do dia

.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Campanhas contra spoiler

.
O ano está acabando, projetos como o Criança Esperança e o Teleton já foram ao ar na tv e você está sem causa nenhuma para abraçar? Então dá uma olhada nessa "campanha" aqui.

Cansado de ler spoilers e ver fotos spoilers pela internet, o dono do blog Bad TV fez essa série de posters com um ar retrô, inspirados na época da depressão nos Estados Unidos, chamada Stop the Spoilers.

É legal porque ouvir um spoiler indesejado realmente é uma das coisas mais detestáveis do mundo, mas a gente nunca conseguiria expressar nossa indignação de forma tão fofa e irônica como estes pôsters.



Porque spoiler é coisa séria.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

As profissões nas comédias-românticas

n.
Quando eu estava no colegial (são momentos como esse que fazer a gente reparar que a velhice já bate à porta), dizia-se que o mês de novembro era contaminado pela novembrite. Novembrite é um nome de "doença" que se refere a tudo que deixa os estudantes loucos nesse período do ano: as provas finais, a possibilidade de pegar recuperação e o temido vestibular.

Eu vou confessar que não sinto a menor saudade dessa época, porque isso de ter que fazer enem, 1ª fase, 2ª fase, é realmente um inferno. Se já era pra mim, que nunca tive dúvida do curso que pretendia seguir na faculdade, imagino como é pra quem tem dúvidas da carreira que quer seguir pelo resto da vida.

Se este é o seu caso, muita calma nessa hora, este post veio pra te ajudar. Mentira, na verdade o objetivo é só fazer aquela trollagem básica e mostrar como as comédias românticas são, mais uma vez, cheias de clichês. Tanto que, se a gente observar, as protagonistas são bem parecidas, inclusive nas escolhas profissionais.

Muitas delas trabalham nas mesmas áreas, e suas profissões têm destaque como plano de fundo nos filmes, no meio tempo em que a querida tenta se acertar com o mocinho e se desvencilhar dos obstáculos de sua vida bandida. Veja então alguns tipos de emprego que são exemplificados nas comédias românticas (e como, mesmo na ficção, dá pra se ter uma ideia do que é cada profissão):


A mocinha médica é aquela bem workaholic, que não tem tempo pra nada, que é casada com a profissão. Ela vive no hospital, então às vezes as "tarefas" do dia-a-dia têm que ser feitas por lá mesmo (vide a personagem de Natalie Portman pegando o personagem de Ashton Kutcher num dos cantinhos escuros do local). Se você pretende seguir essa profissão, ficadica pra não exagerar no trabalho e ter uma vida pessoal também - porque não se iluda, se você fizer aloka tipo a personagem de Reese Witherspoon em E Se Fosse Verdade, não vai ter nenhum Mark Ruffalo pra te trazer de volta à vida no final.


Eu já disse isso mas vou repetir, realmente não entendo o porquê do fetiche dos roteiristas em colocar tanta mocinha de rom-com como jornalistas! Porque, apesar de algumas terem suas histórias cheias de glamour e diversão - tipo a jornalista de Como Perder um Homem em Dez Dias (que não correspondem à realidade, eu garanto), a maioria passa por poucas e boas no incrível mundo das redações - Andy de O Diabo Veste Prada e Jenna de De Repente 30 me compreendem.


Eu coloquei como profissão "cozinheira" porque não acho que é bem essa a função dessas moças. Elas mandam bem na cozinha, sim, mas sem tanto glamour e arrogância dos restaurantes finos. É aqui que os filmes pesam no sentimentalismo e mostram suas personagens fazendo seus quitutes com amor e carinho, servindo pra família (Simplesmente Complicado), vendendo em seu estabelecimento (Juntos Pelo Acaso) ou simplesmente curtindo um momento de amargura na vida e degustando um lindo cupcake (Missão Madrinha de Casamento).


Produtora, seu nome é stress. Haha, parece brincadeira, mas se a profissão for um pouco do que os filmes mostram, se prepare para ficar um pouco maluca nesse tipo de emprego. As personagens dos filmes citados trabalham na televisão, lidando com egos dos apresentadores, com imprevistos dos programas ao vivo e com a pressão dos chefes da emissora. Claro que todo esse trabalho deve ter suas recompensas, mas, se nada der certo, a produtora também pode entrar na aventura de fazer um documentário, como fez a personagem de Winona Ryder em Caindo na Real.


Pra terminar, se você ainda não tem ideia do que quer ser quando crescer, não há motivo para desespero. Porque, afinal, você é jovem, tem ainda muito tempo pra viver e muita coisa pra conhecer no mundo, não é verdade? então pra quê se prender a um emprego que você não gosta? É mais ou menos essa a linha de pensamento das personagens acima. Elas são tipo "free spirit", vivem o agora, curtem o momento e deixam o amanhã para depois. Mesmo as que têm um trabalho não seguem uma carreira, e não parecem se importar muito com isso. Provavelmente seus pais reprovariam totalmente esse modo de vida, mas é de se admitir que a proposta de viver assim, livremente, é muito tentadora.

Claro que isso é apenas um recorte e nenhum desses exemplos tem fundamento científico algum sobre o que realmente é cada profissão. Mas acho que serve pra ter uma ideia e quem sabe pegar uma inspiração (ou rejeição) que ajude a clarear as ideias, seja você vestibulando, descontente com a carreira ou apenas bem humorado em relação a profissão escolhida. Eu, por exemplo, vou continuar assistindo essas pragas e continuar sonhando que um dia minha profissão vai se assemelhar um pouco àquela que teoricamente é a mesma que a da Carrie Bradshaw… ;)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O Thanksgiving nas séries

.
Ao contrário do Halloween. que eu até defendi aqui, o Thanksgiving não significa absolutamente nada para mim e acredito que a esmagadora maioria dos brasileiros pensa da mesma forma. O que é super normal, já que é um feriado americano que a gente mal sabe da onde veio.

Mas dizer que o thanksgiving não muda nada na minha vida talvez não fosse totalmente correto. Porque a verdade é que eu espero ansiosamente essa época do ano pra ver os episódios especiais das séries! A gente pode até não entender a data e essa paixão dos americanos por assistir parades e futebol americano na tv, comer peru e torta de abóbora e fazer compras na black friday (mentira, essa paixão eu entenderia bem, fiquem ligadjenhos que sexta-feira tem post sobre isso!), mas estes temas, quando exibidos nos seriados, sempre nos rendem boas risadas.

Para dar como exemplo, separei aqui alguns dos meus episódios favoritos de Thanksgiving:

Friends - 5ª temporada, episódio 9 "The One With All the Thanksgivings"


Um dos melhores episódios da história de Friends! Mesmo se você não assiste, já deve ter visto nos intervalos da Warner ou em fotos da série aquela imagem clássica de Joey com um peru na cabeça (literalmente) e Mônica, também com um peru - dessa vez estilizado - dançando pro Chandler. É o episódio em que ela relembra os piores Thanksgivings de sua vida. E obviamente, não tinha como não ser hilário, absurdamente engraçado!

Friends - 8ª temporada, episódio 9 "The One With the Rumor"


Um dos melhores episódios da história de Friends [2]! Tem participação especial de Brad Pitt (então marido de Jennifer Aniston, o que deixou tudo ainda melhor), que faz um antigo colega de escola de Monica e Ross, que era gordinho e muito zoado por Rachel. Durante o jantar, a galera fica sabendo que ele e Ross tinham um clube "Eu odeio Rachel Green" na adolescência, e espalharam um boato muito bom sobre ela, hahah. Muito boa também as cenas em que Joey se esforça pra comer grande parte do peru do Thanksgiving.

Eu poderia fazer um post só com episódios de Thaknsgiving de Friends, mas vou me limitar apenas a dar a dica de episódios de outras temporadas que valem muuuito a pena também: episódio de nº 9 da 1ª, da 3ª e da 6ª temporada e episódios de nº 8 da 9ª e da 10ª temporada :)

Gossip Girl - 1ª temporada, episódio 9 "Blair Waldorf Must Pie!"


É um dos episodios mais ícones de GG porque, logo no começo da série, mostrava tudo que a gente ia acompanhar por muitos outros episódios futuros: personagens bêbados fazendo merda, problemas em família, flashbacks de mistérios do passado e revelações que deixam todo mundo pasmo. Também é uma delícia ver os personagens ainda mais inconsequentes e imaturos e os figurinos ainda não tão incríveis de Blair e Serena (pra você ver que ninguém escapa de um passado fashion que condena, nem as Upper East Siders).

New Girl - 1ª temporada, episódio 6  "Thanksgiving"


Esse é o mais recente de todos, foi ao ar semana passada! Fiz questão de destacar aqui porque pra mim foi o melhor da série até agora. Tem todos os personagens reunidos, e já deu pra perceber que é um elenco que funciona bem junto. Tem as piadas vergonha alheia de Schmidt e a fofura "dork" de Jess, mas, de longe, o melhor de tudo é a participação especial de Justin Long <3 <3 <3. Escalado pra fazer um possível par romântico da protagonista, ele é de fato a versão masculina de Jess. Como não amar, assim, incondicionalmente? :)

Para sua programação, o Thanksgiving deste ano será celebrado em séries como 2 Borke Girls, Mike and Molly, 90210, The Middle, Suburgatory e Modern Family. Pronto, agora você também tem motivo pra considerar o Thanksgiving um feriado, como desculpa pra ficar em casa e fazer maratona de séries :D

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

As espécies que a gente esbarra em um show

.
O mês de novembro foi e está sendo um mês muito feliz pra quem curte ir em shows. E tem pra todos os gostos: pra quem gosta de rock, pra quem é indie, pra quem solta a voz com o pop e pra quem prova de tudo um pouco, tipo eu. Esse mês já fui no Pearl Jam, no Planeta Terra é hoje é dia de Britney Beach, hahahaha.

Para entrar no clima do ambiente peculiar que é o de um show, seja do tipo de música que for, resolvi fazer, inspirado no post brilhante da Isa, um pequeno guia antropológico das espécies de fãs que a gente esbarra, repara ou tem a sorte (ou azar) de ficar perto e ouvir todo o papo do ser humano enquanto está esperando a banda subir no palco. Você reconhece - ou se reconhece em - algum desses tipos?


• O competitivo: Todo mundo comprou o mesmo ingresso no mesmo site, mas ele faz questão de comentar que comprou antes de todo mundo, à 00:01, logo que abriram as vendas. Tem mil ambulantes vendendo camiseta oficial da turnê, mas a dele é do site oficial do artista, que ele mandou alguém trazer do exterior. Ele chegou no acampamento do show antes de todo mundo, conheceu o artista antes de todo mundo, baixou o novo cd antes de todo mundo. Pra resumir, o competitivo é uma pessoa cansativa, que adora aparecer e não aceita que ninguém seja mais fã que ele. Reze - reze - para que ele não encontre outro indivíduo de sua espécie e comece a batalha pra ver quem é mais louco. ZzzzZzzz…

• O novato: Em shows de pop, sempre tem bastante crianças e pré-adolescentes que certamente nunca foram em um show antes. Mas também tem muito jovem e adulto que não deve frequentar muito esse tipo de ambiente, e se deslumbra com tudo. "Nossa, como o palco é grande!". "Nossa, que fila para o banheiro!". "Nossa, 6 reais um copo de refrigerante?". São também as pessoas que ficam tirando foto o tempo todo, das arquibancadas vazias do estádio até uma foto do ingresso - que depois vai virar perfil do facebook.

• O blasé: Chega depois da abertura dos portões e acha uma besteira aquele monte de fã se espremendo na grade. Adora debochar dos groupies que fizeram acampamento, dos grupinhos de fãs andando com faixinha com o nome do ídolo na cabeça e basicamente de todos os outros tipos de fãs. Não vai ao banheiro químico e evita comprar comida e bebida porque não se sujeita a esse tipo de falta de dignidade. Mas tem grandes tendências de virar coxinha, gritar o nome do ídolo e cantar com mãozinha levantada quando o show começa.

Como lidar com pessoas que sobem no ombro de seus respectivos homens e atrapalham toda sua visão? #ódio #sanguenozóio

• O efusivo: ele gosta muito daquele artista muito muito mesmo e ele estava contando os dias pra esse show e decorou todas as músicas e geralmente veio de um lugar muito longe e sempre gosta de contar toda sua trajetória emocionante até ali e ele tá tão feliz e tão ansioso que costuma falar assim bem rápido sem usar vírgulas. Aliás, ele despeja toda seu discurso inflamado de fã em qualquer ser vivo que fique a seu lado, só interrompendo para: cantar, gritar e chorar. Tudo muito efusivamente.

• O brisado: Mais frequentes em shows de rock, em 90% dos casos os elementos são vistos andando pela pista com um olhar vago, cabelos esvoaçantes e atitude de quem não sabe onde está indo, mas também não está muito a fim de procurar um destino. Quer curtir o momento, curtir a música, mas basta as luzes se apagarem pra ele acender seu cigarrinho do diabo e curtir a verdadeira brisa. Nos outros 10% dos casos em que são vistos acompanhados, geralmente estão com apenas mais um amigo, na mesma situação, com quem dividem comentários monossilábicos e/ou babacas.

• O reclamão: É a pessoa que vai ao show mas deixa todo mundo se perguntando o que ele está fazendo ali. Enquanto o blasé tenta manter uma imagem de indiferença, de não afetação, o reclamão faz questão de mostrar que está odiando tudo. Acha terrível aquele monte de gente gritando, o som está sempre baixo ou alto demais, os serviços estão péssimos, a organização é pífia, o estádio/arena/casa de show não é um lugar adequado e o artista, obviamente, canta muito melhor no cd.

O reclamão e o efusivo

• A fashion: no cotidiano, ela é uma pessoa quase normal, anda na rua sem chamar muita atenção com seu jeans skinny e seu moletom da Gap. Mas, em dia de show de seu ídolo, ela capricha na produção. Se o artista é uma cantora pop, ela investe na moda jovem atual, com shortinho beem curto, óculos wayfarer colorido, tênis também colorido e às vezes chapéu (que ela provavelmente vai perder na hora do show ou passar o tempo todo segurando o lindo). Se o show for indie, o estilo é mais ou menos esse, só que muito mais exótico (leia-se forçadamente estranho). Se o show for de rock, ela carrega na maquiagem, amarra a camiseta da banda pra ficar mais justinha e completa com camisa xadrez. Mas tem também aqueles fãs que querem fazer cosplay dos ídolos, e se vestem querendo ser sósias. Eles sempre aparecem nas reportagens de tv, proporcionando vergonha alheia pra você, pra família deles e pra todo o Brasil.

• O sem noção: é aquela pessoa que aparentemente não percebeu que foi a um local para assistir um show e está rodeado de milhares de pessoas que têm exatamente o mesmo objetivo. É o(a) lindo(a) que tenta furar todas as filas possíveis, fica cantando terrívelmente todas as músicas (antes do show começar, pra "animar" a galera), se espreme e para exatamente na sua frente durante o show, tapando toda sua visão, e ainda faz questão de acender um cigarro atrás do outro e deixar a fumaça direcionada toda para sua cara. Uma gracinha, só que muito, muito ao contrário.


Se você se identificou com algum dos tipos acima, não se ofenda, em um show grande como os que tivemos este mês, tem espaço pra todo mundo. Eu vou confessar que faço mais o tipo blasé, mas né, quem não tem um efusivo morando dentro de si que atire o primeiro pôster "autografado";)

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Batalha das Brancas de Neve

.
No fim, parace que toda aquela possível falta de criatividade e sobra de repetitividade na cultura pop está rendendo bons frutos. Porque vocês estão sabendo né, pro ano que vem teremos não só um, mas dois filmes com a Branca de Neve como protagonista.

Mas se você já tá pensando "meu Deus, se tiver overdose do tema e da imagem da princesa como teve overdose de Alice no País das Maravilhas em 2010, quem poderá nos defender?", não se preocupe. Os dois filmes são muito diferentes. Muito mesmo. O que significa que vai ter bom entretenimento para todos os gostos e críticas pipocando para todos os lados.

E o fato de os dois filmes seguirem vertentes opostas não me impede de fazer aquela comparação básica entre eles. E aí, no final da batalha, qual será o filme vencedor?

A trama



Snow White and the Huntsman tem um ar bem sombrio. Tanto que a princesa nem é mais tão nobre assim. A coitada teve que virar guerreira pra defender seu reino das garras da rainha má. Já em Mirror Mirror o foco é no humor. A história aparentemente se assemelha mais à original, e os personagens, juntamente com elementos do cenário, dão o toque bizarro e inesperado da coisa.

Ponto para: Mirror Mirror, porque acho o enfoque mais leve bem mais original. Snow White and the Huntsman me passou uma vibe meio Crônicas de Narnia, e vamos relembrar que Nárnia já tem três filmes..posso estar sendo precipitada, mas não sei se me sinto muito empolgada pra assistir mais um "inspired".


A rainha má


Acho que a rainha má feita por Julia Roberts tem tudo pra ser uma personagem fantástica, aquele tipo de gente que a gente sabe que é louca, alucicrazy total, mas ainda assim tem um apego - tipo a Courtney Love, hahaha. Mas, se é para falar sério e medir em termos de maldade, não tem nem o que dizer. Olhe nos olhos da rainha má de Charlize Theron e pronto, seu coração já foi petrificado. Ser linda e loira e passar medo só pelo trailer é um feito para poucas.

Ponto para: Snow White and the Huntsman. Parabéns à Charlize Theron, que com seu talento conseguiu ficar mais medonha do que seu make em Monster.


A Branca de Neve


Vou tentar deixar minha birra com Kristen Stewart um pouco de lado pra dizer só uma coisa: o filme tem Snow White no nome, mas repare, quantas vezes a dita cuja falou ou mesmo apareceu no trailer? Pouquíssimas né? O que já dá a entender que a rainha má vai roubar a cena total. A Branca de Neve feita por Lily Collins assume uma postura bem diferente; é alegre, colorida e parece ter bem mais participação na história - afinal, ela é a protagonista :S.

Ponto para: Lily Collins em Mirror Mirror, com uma ressalva: no próximo filme, por favor, Lily, faça as sobrancelhas. É um apelo, sérião.



O príncipe



Questão difícil, muito difícil. Em Snow White, temos Chris Hemsworth (o Thor) fazendo cara de mau e lutando contra o inimigo. Em Mirror Mirror, temos Armie Hammer (os irmãos Winklevoss em A Rede Social) fazendo um príncipe meio bobão, que chega ao ponto de ser enfeitiçado e imitar um cachorrinho. Um é sério, o outro é cômico e ambos são extremamente boys magia.

Ponto para: Armie Harmer em Mirror Mirror. Porque como diz Marylin Monroe, se um homem consegue fazer uma mulher rir, ele consegue que ela faça qualquer coisa. (Na realidade, isso não funciona tão literalmente, mas imagine a sua realidade + Armie Hammer...faz mais sentido, sim ou claro?)


O figurino



Em Snow White, o destaque positivo vai para os penteados, e só. O figurino todo em tons escuros não empolga muito. Já no filme rival, a situação é completamente diferente. Os vestidos da rainha má são incríveis, absurdamente bem elaborados e divertidos. Branca de Neve tem roupas menos suntuosas, mas ainda assim, bem melhores que as armaduras de sua concorrente em Snow White and the Hutsman. Até o príncipe tem seu toque fashion, com orelhinhas de coelho no chapéu.

Ponto para: Mirror Mirror, disparado. A figurinista disse que sua ideia era passar a impressão, para os personagens em geral, de "Eu sou uma pessoa deliciosamente louca". Acho que ela conseguiu.


Efeitos especiais, fotografia e outros detalhes técnicos


Mirror Mirror certamente tem uma fotografia que me agrada mais, por ser mais viva, mais vibrante, ter cores mais reais em relação ao tom cinzento e lavado de Snow White and the Huntsman. Mas, há de se reconhecer que, em termos de efeitos especiais, o mérito é todo deste. Porque criar todo um exército do mal em computadores definitivamente não deve ser nada fácil, e esse clima de névoa que acompanha a trama toda também foi muito bem desenvolvido pela direção de arte.

Ponto para: Snow White and the Huntsman. Porque os efeitos especiais fizeram a 2ª Floresta Proibida mais temida do cinema (a primeira, claro, é a de Hogwarts).


Resultado final: por 4 pontos a 2, o vencedor, na minha humilde opinião, é Mirror Mirror. Mas né, de que vale essa batalha se no final eu sei que vou assistir os dois de qualquer jeito?
E você, já tem um veredicto? ;)

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Os Melhores Clipes - Participação de celebridades

.
Semana passada, eu e minhas amigas estávamos tendo uma conversa muito construtiva e muito educativa (só que ao contrário) no Facebook. Meio que a gente reparou que uma meta de vida legal atualmente é se tornar uma pop star e fazer clipes em que você pode contracenar com caras bonitos. Repare, essa é uma tendência contemporânea: Lady Gaga curte, Rihanna já adotou e Katy Perry é praticamente mestra no assunto.

Como esta realidade ainda me parece um pouco muito distante, a ideia era fazer um post tipo top top dos maiores boys magia desses clipes. Mas, a não ser que eu receba muitos pedidos (leia-se: um comentário já tá valendo, hahaha), achei melhor postergar o tema (uma vez que já falei de boys magia aqui há pouco tempo).

Então, a ideia hoje é mostrar celebridades que já fizeram pontas em clipes por aí. Você se lembra de…

Diego Luna em The One That Got Away, de Katy Perry


Tenho que começar com este clipe porque foi ele que deu origem a todo o assunto. A música The One That Got Away, novo single de Katy Perry, contagiou até quem não gosta da cantora. O motivo: o ator mexicano Diego Luna. Vou repetir com um pouco mais de ênfase pra ver se você entende de vez toda a efusividade envolvendo este clipe: o ator nem tão bonito mas incrivelmente charmoso Diego Luna com visual sujinho fazendo ponta num clipe de Katy Perry e matando as saudades que a gente estava desde E Sua Mãe Também e Dirty Dancing 2 - Havana Nights. Pronto, é isso. Beijos Dieguito.

Grande elenco em Last Friday Night, de Katy Perry


Quer dizer, eu tô seriamente considerando largar minha vida bandida de jornalista pra virar figurante nos clipes da Katy Perry. Onde mais a gente pode contracenar com o lindo do Darren Criss, curtir um show do Hanson no quintal e dançar numa máquina de dança com a diva Rebecca Black? É muito amor,gente.

Scarlett Yohansson em What Goes Around Comes Around, de Justin Timberlake


Nesse caso a gente não tem inveja dos figurantes, tem inveja da própria Scarlett mesmo. O clipe com Justin Timberlake é quase um curta metragem, cheio de cenas bem íntimas, como pede o tom da música. Também faz a gente sentir saudades do tempo em que Justin investia mais na musica e trazia "sexy back". Acho válido a gente apoiar campanhas muito inteligentes para sua volta. ;)

Jake Gyllenhall em Giving Up the Gun, do Vampire Weekend


Jake Gyllenhall jogando tênis e fazendo cara de mau. Fim.

Austin Powers em Boys, de Britney Spears


Em clipes que fazem parte de trilha sonora de filmes, é comum ver cenas dos próprios filmes como plano de fundo (um exemplo que ilustra bem isso é Breakaway, da Kelly Clarkson). Mas em "Boys", o Austin Powers não fica só no background. Ele interage com os elementos do cenário, faz suas palhaçadas e joga até seu charme e sensualidade pra cima da Neide. Imperdível!

Grande elenco em God's Gonna Cut You Down, de Johnny Depp


A mensagem da música é que, não importa quem você é, em algum momento da vida você vai passar por situações difíceis. As celebridades não são exceção. Logo, o clipe faz questão de mostrar várias delas: Iggy Pop, Kanye West, Chris Martin, Patti Smith, Anthony Kieds, Adam Levine, Justin Timberlake, Kate Moss, Bono, Jay Z, Keith Richards, Johnny Depp, Owen Wilson, entre outras, muitas outras.

Claaro que tem mais uma infinidade de clipes com aparições de gente famosa, mas eu sou uma boa blogueira e não quero pesar a sua internet com 237649832 videos numa página. Mas, se a sua curiosidade ainda não se esgotou, aqui vai uma lista com mais 20 clipes do tipo ;)

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Retrô pride

.
Eu tô pensando em fazer uma tag aqui só pra posts com trabalhos desse tipo, nem sei bem como explicar, com "fotos sobrepostas". Porque sempre aparece um projeto novo, e é um mais legal que o outro, como lhedar, né?

A versão mais recente deste formato de fotografia (se você não sabe do que eu tô falando, dá uma olhada nos projetos Dear Photograph e Pencil X Camera) é a série Passanti, de um italiano chamado Giuseppe Savini. Colecionador de fotos antigas, ele resolveu dar uma volta por sua cidade, Bologna, e sobrepor as fotos à paisagem do lugar.

O mais incrível: décadas depois, parece que os cenários continuam intactos. Parabéns aos envolvidos :]

 




quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Essa é a vida que eu quis

.

Dias de folga ----> this ^^