sexta-feira, 18 de novembro de 2011

As espécies que a gente esbarra em um show

.
O mês de novembro foi e está sendo um mês muito feliz pra quem curte ir em shows. E tem pra todos os gostos: pra quem gosta de rock, pra quem é indie, pra quem solta a voz com o pop e pra quem prova de tudo um pouco, tipo eu. Esse mês já fui no Pearl Jam, no Planeta Terra é hoje é dia de Britney Beach, hahahaha.

Para entrar no clima do ambiente peculiar que é o de um show, seja do tipo de música que for, resolvi fazer, inspirado no post brilhante da Isa, um pequeno guia antropológico das espécies de fãs que a gente esbarra, repara ou tem a sorte (ou azar) de ficar perto e ouvir todo o papo do ser humano enquanto está esperando a banda subir no palco. Você reconhece - ou se reconhece em - algum desses tipos?


• O competitivo: Todo mundo comprou o mesmo ingresso no mesmo site, mas ele faz questão de comentar que comprou antes de todo mundo, à 00:01, logo que abriram as vendas. Tem mil ambulantes vendendo camiseta oficial da turnê, mas a dele é do site oficial do artista, que ele mandou alguém trazer do exterior. Ele chegou no acampamento do show antes de todo mundo, conheceu o artista antes de todo mundo, baixou o novo cd antes de todo mundo. Pra resumir, o competitivo é uma pessoa cansativa, que adora aparecer e não aceita que ninguém seja mais fã que ele. Reze - reze - para que ele não encontre outro indivíduo de sua espécie e comece a batalha pra ver quem é mais louco. ZzzzZzzz…

• O novato: Em shows de pop, sempre tem bastante crianças e pré-adolescentes que certamente nunca foram em um show antes. Mas também tem muito jovem e adulto que não deve frequentar muito esse tipo de ambiente, e se deslumbra com tudo. "Nossa, como o palco é grande!". "Nossa, que fila para o banheiro!". "Nossa, 6 reais um copo de refrigerante?". São também as pessoas que ficam tirando foto o tempo todo, das arquibancadas vazias do estádio até uma foto do ingresso - que depois vai virar perfil do facebook.

• O blasé: Chega depois da abertura dos portões e acha uma besteira aquele monte de fã se espremendo na grade. Adora debochar dos groupies que fizeram acampamento, dos grupinhos de fãs andando com faixinha com o nome do ídolo na cabeça e basicamente de todos os outros tipos de fãs. Não vai ao banheiro químico e evita comprar comida e bebida porque não se sujeita a esse tipo de falta de dignidade. Mas tem grandes tendências de virar coxinha, gritar o nome do ídolo e cantar com mãozinha levantada quando o show começa.

Como lidar com pessoas que sobem no ombro de seus respectivos homens e atrapalham toda sua visão? #ódio #sanguenozóio

• O efusivo: ele gosta muito daquele artista muito muito mesmo e ele estava contando os dias pra esse show e decorou todas as músicas e geralmente veio de um lugar muito longe e sempre gosta de contar toda sua trajetória emocionante até ali e ele tá tão feliz e tão ansioso que costuma falar assim bem rápido sem usar vírgulas. Aliás, ele despeja toda seu discurso inflamado de fã em qualquer ser vivo que fique a seu lado, só interrompendo para: cantar, gritar e chorar. Tudo muito efusivamente.

• O brisado: Mais frequentes em shows de rock, em 90% dos casos os elementos são vistos andando pela pista com um olhar vago, cabelos esvoaçantes e atitude de quem não sabe onde está indo, mas também não está muito a fim de procurar um destino. Quer curtir o momento, curtir a música, mas basta as luzes se apagarem pra ele acender seu cigarrinho do diabo e curtir a verdadeira brisa. Nos outros 10% dos casos em que são vistos acompanhados, geralmente estão com apenas mais um amigo, na mesma situação, com quem dividem comentários monossilábicos e/ou babacas.

• O reclamão: É a pessoa que vai ao show mas deixa todo mundo se perguntando o que ele está fazendo ali. Enquanto o blasé tenta manter uma imagem de indiferença, de não afetação, o reclamão faz questão de mostrar que está odiando tudo. Acha terrível aquele monte de gente gritando, o som está sempre baixo ou alto demais, os serviços estão péssimos, a organização é pífia, o estádio/arena/casa de show não é um lugar adequado e o artista, obviamente, canta muito melhor no cd.

O reclamão e o efusivo

• A fashion: no cotidiano, ela é uma pessoa quase normal, anda na rua sem chamar muita atenção com seu jeans skinny e seu moletom da Gap. Mas, em dia de show de seu ídolo, ela capricha na produção. Se o artista é uma cantora pop, ela investe na moda jovem atual, com shortinho beem curto, óculos wayfarer colorido, tênis também colorido e às vezes chapéu (que ela provavelmente vai perder na hora do show ou passar o tempo todo segurando o lindo). Se o show for indie, o estilo é mais ou menos esse, só que muito mais exótico (leia-se forçadamente estranho). Se o show for de rock, ela carrega na maquiagem, amarra a camiseta da banda pra ficar mais justinha e completa com camisa xadrez. Mas tem também aqueles fãs que querem fazer cosplay dos ídolos, e se vestem querendo ser sósias. Eles sempre aparecem nas reportagens de tv, proporcionando vergonha alheia pra você, pra família deles e pra todo o Brasil.

• O sem noção: é aquela pessoa que aparentemente não percebeu que foi a um local para assistir um show e está rodeado de milhares de pessoas que têm exatamente o mesmo objetivo. É o(a) lindo(a) que tenta furar todas as filas possíveis, fica cantando terrívelmente todas as músicas (antes do show começar, pra "animar" a galera), se espreme e para exatamente na sua frente durante o show, tapando toda sua visão, e ainda faz questão de acender um cigarro atrás do outro e deixar a fumaça direcionada toda para sua cara. Uma gracinha, só que muito, muito ao contrário.


Se você se identificou com algum dos tipos acima, não se ofenda, em um show grande como os que tivemos este mês, tem espaço pra todo mundo. Eu vou confessar que faço mais o tipo blasé, mas né, quem não tem um efusivo morando dentro de si que atire o primeiro pôster "autografado";)

Um comentário:

  1. hahahah não tem jeito, a gente SEMPRE esbarra com um desses em um show!

    ResponderExcluir