quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

5 lições de amor das comédias-românticas (ou o que não fazer pra conquistar um cara)

.
Sim, eu tenho consciência de que esse título é uma das coisas mais apelativas e ao mesmo tempo mais enganosas que eu já escrevi aqui. Se você leu e pensou que este seria um super post sobre relacionamentos, com guias e dicas super interessantes, me desculpe, mas não. Esse não é o Casal Sem Vergonha. Aqui é o Clueless, e de vez em quando, eu gosto de zoar um pouco, haha ;P

O fato é que, esses dias, assistindo pela milésima vez a 3ª temporada de Sex and the City, me deparei com um episódio extremamente verossímil (como quase todos, aliás), com essa quote tão, mas tão verdadeira:

(tradução: quando eu ouvi a mentira que eu tinha acabado de contar, eu percebi o quanto eu gostava dele. É do episódio que a Carrie conhece o Aidan, também conhecido como o cara mais perfeito de toda a série, talvez de todas as séries ever)

E daí que, vendo esse episódio, eu tive a ideia de fazer esse post sobre cinco coisas absurdas que a gente vê as meninas fazendo nos filmes para conquistar alguém ou quando estão apaixonadas pelo cara dos seus sonhos. Obviamente que você deve considerrar que isso tudo é uma grande brinks, e eu não tenho muito talento, experiência ou conhecimento científico do assunto 'amor' pra ficar dando conselhos sérios. Mas quem sabe se a gente ver as besteiras que as personagens fazem, a gente se toca pra não fazer igual na vida real, né? hahaha

1- Não mentirás - nem para os outros e nem para você
Nós vivemos em um mundo moderno, pra-frentex, em que é normal você ter alguns tipos de relacionamentos passageiros, tais como peguetes, ficantes, rolos ou simplesmente um cara gato que você viu na balada e quis pegar. É claro que, num primeiro momento, para conquistar qualquer um desses status amorosos, você terá que pelo menos aparentar ser uma pessoa agradável e atraente. Mas, se a intensão é levar o casinho adiante, é preciso mais que aparentar; é preciso mostrar de verdade o que você tem de melhor. Porque nenhuma "máscara" (BBB feelings) aguenta a pressão de uma relação de verdade. Vide a própria Carrie Bradshwa. Inventou um monte de mentirinhas para parecer mais perfeita aos olhos do Aidan (tipo "também sou designer", "eu não fumo"), e no final caiu numa puta duma mentira difícil de sair...


Mas daí que tem outro tipo de mentira que pode atrapalhar seu romance, e não tem a ver com mentir sobre a própria personalidade. Tem a ver com mentir pra si mesma, omitir os sentimentos por achar que não vai rolar, ou que tá tudo muito complicado. A personagem principal de O Noivo da Minha Melhor Amiga é um ótimo exemplo de como isso pode ser um incrível atraso de vida. Se o amor bater à sua porta, na grande maioria das vezes o melhor a fazer é deixar o maldito entrar. Porque a concorrência é sempre grande, e o potencial de frustração caso você se esconda dele também.

2- Stalkeie com moderação (ou com muita discrição)
Vamos falar a verdade, ser stalker escancaradamente só é fofo nas músicas da Clarice Falcão. Em meio à nossa sociedade, esse tipo de atitude é extremamente julgada e gera sérios riscos de constrangimento público caso seja descoberta. Ficar muito em cima, grudar na pessoa e dar atenção demais são atitudes que só queimam o seu filme. 


Existe uma verdadeira leva de personagens que mostraram na prática essa teoria da frase acima, mas eu escolho Janet, de Vida de Solteiro, como o grande exemplo. A louca vivia atrás do peguete, mesmo depois de ele falar que ficava com outras meninas também (dá uma olhada no trailer pra sentir o drama). Resultado: o cara esnobava e não tava nem aí pra ela. Até que ela começou a não ligar mais pra ele, e aí os papéis se invertem… #ficadica

3- Não era amor, era cilada!
Dizem que a gente não manda no coração, e é bem verdade. Só que um pouco de auto-proteção dá pra fazer, né gente? Se apaixonar pelo cara errado pode acontecer (e ele pode ser "errado" pelas mais diferentes razões), mas, caso você seja meio cética que nem eu e não acredite muito em amor à primeira vista, vai concordar que só consegue desenvolver uma grande paixão quem vai alimentando aquele sentimentozinho até ele se transformar em algo irreversível. Evitá-lo nem sempre é possível, mas às vezes é o melhor que se tem a fazer.


Veja dois exemplos de paixonites #fail. Em A Razão do meu Afeto, a personagem de Jennifer Aniston se apaixona pelo amigo gay. Sabendo que ele é gay. E em Vicky Cristina Barcelona, Cristina continua com o personagem de Javier Barden mesmo quando ele traz a ex louca pra morar na mesma casa. Se elas tivessem usado um pouquinho mais de razão e menos de emoção, não teriam sofrido (e seus filmes não existiriam). Ou seja, quando ver que o custo/benefício do cara é arriscado, cuidado, pode ser uma cilada, Bino!

4- Precious illusions in my head
Se você assistir este clipe da Alanis Morissette e lembrar de pelo menos uma vez que já ficou na mesma situação dela, de sonhar com a sua vida ao lado de determinada pessoa, parabéns, você já pode ser considerada uma adepta do famigerado amor platônico! Conhecer alguém legal/bonito/ambos pode ter um impacto enorme em nossas cabeças femininas, a ponto de as esperanças e expectativas geradas em cima do cidadão tere um enorme potencial de frustração.


Veja a história da querida Jen, de Educação, por exemplo. Sonhadora até dizer chega, ela deposita todas as suas ilusões num cara mais velho, rico e frequentador da alta sociedade. Jen deixa uma boa parcela da sua própria vida de lado pra viver no estilo de vida dele. É claro que uma hora as complicações iam começar a aparecer. Em casos como esse, é mais seguro deixar a Alanis um pouco de lado e começar a cantar mais La Roux ;)

5- A vida não é um filme
É sempre bom lembrar, porque vira e mexe a gente esquece. Bonitas histórias de amor das telonas frequentemente fazem a gente se questionar o porquê de a vida real não trazer o nosso final feliz logo, de uma vez por todas, o porquê de aquela cena de declaração incrível no final não acontecer com a gente também, o porquê de aquele amor perfeito das nossas expectativas não corresponder à nossa realidade.


Se eu soubesse como resolver essa frustração de não viver dentro de uma comédia-romântica, já estaria rhyca, né. Mas, como eu não sei, acho que às vezes a solução é pensar menos na "fórmula do amor" e mais em explicações mais simples, tipo Ele Simplesmente Não Está a Fim de Você. Aceitar os nãos e as patacoadas que a vida amorosa te proporciona e saber sair ainda melhor delas é um passo muito fundamental para saber aproveitar as verdadeiras oportunidades quando elas aparecem ;)

Eu tinha esse post na cabeça como uma coisa mais temática, para a época do dia dos namorados. Mas vai que, seguindo essas valiosíssimas dicas (risos) dá pra descolar um bofe até lá, né? hahaha ;)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Imagem do dia

.
Bem assim.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

5 inspirações dos looks do Oscar

.
Ha algum tempo eu já não faço mais posts de red carpets aqui neste blog (ainda amo, mas não tenho mais vontade de fazer. É, às vezes nem eu me entendo), mas quando chega o Oscar, fica meio impossível resistir.

Uma das diferenças que eu sempre noto entre premiações de música (VMA, Grammy) e premiações de cinema/TV (Globo de Ouro, Emmy, Oscar) é que, nos de música, só tem gente descolada (leia-se louca), com looks completamente absurdos, pra o entretenimento geral da nacão. Já nos de cinema, o povo é mais sério, todas quer ser bonita, então os looks são muito mais phynos. Se nos eventos de música a gente só consegue dar risada, nos de cinema/TV super dá pra pegar inspiração e referência para possíveis eventos da vida real, como formaturas e casamentos.

Por esta razão, escolhi aqui meus 5 melhores momentos em termos de moda e beleza do red carpet do Oscar, para a gente admirar e levar como referência para a costureira/cabeleireira copiar ;)


O vestido que eu considero mais usável da noite sem dúvidas foi o Elie Saab de Mila Jovovich, mas a diva desse red carpet foi, de longe, Jessica Chastain. Uma das atrizes mais fofas e bonitas dos últimos tempos, achei tudo perfeito nela: o penteado, o tom do cabelo, o vestido McQueen incríveeel…enfim, quero ser igual ela quando eu crescer.


Em praticamene todo red carpet, os vestidos tomara-que-caia reinam entre os queridinhos das famosas. Neste Oscar, muitas delas usaram vestidos tomara-que-caia com um upgrade: o ombro só, como Mila Jovovich, ou algum detalhe que chama a atenção para os ombros, como fez Penélope Cruz e Stacy Kleiber. Acho phyno e lindo, dá um toque totalmente diferente à roupa.


Eu sou uma pessoa extremamente, repetindo, extremamente fiel ao cabelo solto, em todas as ocasiões. Mas muita gente acha que ir em um evento mais sofisticado sem prender o picumã é sinal de desleixo, deixa o visual muito relaxado. Esses três exemplos aí de cima estão aí pra provar que dá, sim, pra ir numa festa de cabelo solto e ficar absolutamente linda, sambando na cara da sociedade ;)


É legal ter um estilo e procurar segui-lo em todos os tipos de look. Mas também é muito legal ver alguém saindo totalmente do que as pessoas esperavam e surpreendendo com um vestido que pode não ser o mais maravilhoso que ela já usou, mas que marca presença, se torna memorável. Esse vestido branco com capa da Gwyneth Paltrow, por exemplo. Já fez história no red carpet do Oscar.


Por fim, só pra lembrar que Oscar é sinônimo de glamour, muitas atrizes colocaram o lado diva pra trabalhar e pesaram a mão no brilho dos vestidos de gala! Nada mais justo e mais apropriado :]

E aí, qual foi o seu look preferido do Red Carpet do Oscar?

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Momentos musicais nos indicados ao Oscar

.
Tô me sentindo meio mal por não ter feito nenhuma "cobertura" especial do Oscar esse ano, tipo o mesmo tanto de coisa que eu postei no ano passado. A verdade é que a correria desse mês todo, combinada com o fato de eu ter que trabalhar incessantemente no Carnaval fez com que a minha capacidade e a minha vontade de fazer posts sobre o Oscar passassem de mínimas para inexistentes.

Mas enfim, cá estamos na sexta-feira véspera da premiação mais querida, mais aguardada e mais falada do mundo, e não dava mesmo pra deixar passar em branco. Daí eu achei que seria legal postar aqui um top 5 em relação ao Oscar.

O primeiro é com os 5 momentos em que a trilha sonora falou mais alto nos indicados a Melhor Filme. Seja com rock dos anos 60 de The Help, o romantismo dos anos 20 de Meia-Noite em Paris ou o U2 do trailer de Tão Forte e Tão Perto, em algumas cenas não há dúvidas de que música saiu do papel de coadjuvante e deu o tom dos filmes :]


Meia-noite em Paris - Let's do it, let's fall in love (Cole Porter)



Tão Forte e Tão Perto - Where the streets have no name (U2)


O Artista - Trilha Sonora Original


A Invenção de Hugo Cabret - Kings and queens (30 seconds to Mars)

O post acaba por aqui, mas caso sua sede por posts e comentários do Oscar continue bombando, recomendo MUITO as coberturas do The Guardian, Vulture e Entretainment Weekly. E claro, estaremos, como sempre, floodando muito no twitter no domingo, haha ;D

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Vídeo do dia: crianças falam sobre os filmes do Oscar

.
No ano passado, eu postei aqui sobre uma série de vídeos que perigam ser os mais fofos já produzidos no mundo: Kids Acting Out, que colocavam criancinhas para reproduzir cenas dos filmes indicados ao Oscar de Mlehor Filme de 2011, como A Rede Social, O Discurso do Rei e Cisne Negro. Um OWN eterno.

Nesse ano, eu bem que procurei, mas não achei os videos com os filmes do Oscar deste ano versão kids. Em vez disso, achei outro video praticamente no mesmo nível de fofura e amor.

O Kids Predicting the Oscars é uma ideia bem simples, que foi um sucesso graças aos brilhantes entrevistados, haha. Um cara foi às ruas de Nova York perguntar para as crianças o que elas achavam de filmes como Árvore da Vida e quais suas opiniões sobre o melhor filme, melhor ator, melhor atriz e melhor diretor que elas viram no ano passado.

Pontos altos do vídeo: menina falando que o melhor filme do ano foi "Cada um tem a gêmea que merece" e outra menina sendo enfática pra dizer que a melhor atriz de 2011 foi Selena Gomez.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

No Repeat

.

Ando num momento de muito amor e identificação com Taylor Swift e suas músicas. Só Deus pode me julgar ;P

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Coming Soon - 10 séries que prometem em 2012

.
Não sei você, mas às vezes eu fico pensando em possíveis ideias para filmes. Histórias que dariam um bom drama, ou situações cotidianas que até fazem você parecer uma personagem de uma comédia tosca qualquer, enfim, de vez em quando vem à cabeça uma ou outra coisa que eu penso que seriam interessantes se fossem filmadas. Mas dois segundos depois eu vejo que, na verdade, elas não têm muito fundamento, eu não tenho a imaginação muito fértil, e, obviamente, pra arrastar uma trama em um filme de umas duas horas, ela tem que ser boa.

Imagina então pra fazer uma série, que pode durar anos. Eu sempre pensei que deve ser muuuuuuito mais difícil, porque pra fazer um episódio por semana, de meia hora ou uma hora, tem que ter uma cabeça absurdamente criativa, uma imaginação genial, ser um ser humano com um talento descomunal pra escrever roteiro.

Mas não sei, vai ver escrever uma série não exige taaanto esforço assim. Cheguei a essa linha de pensamento depois de ver a enooorme lista de pilotos de séries que devem estrear na tv americana a partir de setembro deste ano. Não sei da onde esse povo vai tirar tanto plot para os episódios, mas já deu pra ver que tem muita coisa bacana sendo produzida.

Escolhi os dez pilotos que mais me chamaram a atenção como séries que prometem nos conquistar na próxima Fall Season. Olha só:


American Judy (ABC)
Com: Judy Greer (de Two and Half Men, Os Descendentes, Vestida Pra Casar, De Repente 30, etc)
Sobre: uma mulher urbana que se casa e fica perdida quanto tem que ir morar longe da cidade, lidar com enteados, sogra, ex-mulher e um marido xerife.
Por que deve ser legal: Porque é uma série baseada na vida da própria Judy Greer, uma das atrizes mais divertidas e com mais cara de gente boa que eu me lembro. Ela, que sempre fez papéis coadjuvantes, tem tudo pra decolar como protagonista dessa série.

Carrie Diaries (CW)
Com: ainda sem elenco (tenho minhas sugestões), mas com roteiro de Amy Harris (de Gossip Girl) e produção de Candace Bushnell, a autora de Sex and the City
Sobre: a minha, a sua, a nossa querida Carrie Bradshaw ainda na adolescência e começo da vida adulta, com suas primeiras experiências marcantes em relação a amor, sexo, profissão, amigas, etc.
Por que deve ser legal: apesar de não ser desenvolvida pela HBO, como o SATC original, quem é fã da série mesmo deve curtir de qualquer jeito o tratamento teen que a CW provavelmente vai dar à trama. E, se a série for tão boa e viciante como os livros (Os Diários de Carrie e Summer in the City), tem tudo pra ser um sucesso.

Super Fun Night (CBS)
Com: Rebel Wilson, de Bridesmaids, que também escreve e produz a série.
Sobre: três amigas nerds que se propoem a ter uma noite divertida em toda noite de sexta-feira.
Por que deve ser legal: três amigas nerds tentando se divertir = galerinha da pesada aprontando altas confusões = vai dar merda e a gente provavelmente vai rir. E tô torcendo pra que tenha Last Friday Night na abertura.

Gilded Lillys (ABC)
Com: Blythe Danner, Sarah Bolger, Madeline Zima
Sobre: a abertura do primeiro grande hotel de luxo em Nova York, em 1895, e tem como plano principal histórias de amor, rivalidades de família, segredos, conflitos de classe, por aí vai.
Por que deve ser legal: é Nova York, em 1895, explorada numa trama com provavelmente muitas reviravoltas e episódios que deixam a gente de boca aberta com as revelações. E claro que o figurino deve ser absurdo de lindo.

The Smart One (ABC)
Com: Portia de Rossi, Ellen DeGeneres como produtora
Sobre: uma mulher brilhante, bem-sucedida, que se vê obrigada a ir trabalhar com a irmã menos inteligente e mais popular e bonita, que virou prefeita de uma cidade grande.
Por que deve ser legal: parece uma comédia de anti-heroína, uma tendência que muito me agrada. E, se tiver metade do humor que Ellen Degeneres exibe em seu programa, já vai render ótimas risadas!


Let It Go (FOX)
Com: Zachary Levi
Sobre: um casal, o melhor amigo dele e a irmã dela, que tentam lidar, negociar, manipular e sobreviver às regrinhas da sociedade.
Por que deve ser legal: a descrição é bem vaga, o que dá a entender que essa é uma série sobre o cotidiano de pessoas comuns, de gente como a gente que tenta viver bem nesse mundo cão. Acho que tem tudo pra ser adorável e divertida.


Friend Me (CBS)
Com: ainda sem elenco confirmado.
Sobre: dois amigos de 20 e poucos anos que se mudam de uma cidade do interior pra Los Angeles para trabalhar no Groupon.
Por que deve ser legal: acho legal quando uma série ou filme resolve explorar alguma tendência muito forte no mundo, principalmente se for uma tendência de internet. Fazer uma comédia envolvendo o Groupon pode ser uma boa sacada. E também acho que pode ser divertido explorar o começo da vida profissional de dois jovens.

Ainda sem título (CBS)
Com: Michael Angarano, Chris Smith, Randall Park
Sobre: um casal na casa dos 20 anos que termina o namoro, e, mesmo separados, têm que trabalhar com apenas uma baia de distância numa agência de publicidade.
Por que deve ser legal: quem nunca viveu uma situação pelo menos minimamente parecida, né gente? Fico curiosa pra ver como essa história de ter que continuar vendo e lidando com um ex vai se desenvolver. Me parece uma comédia sobre relacionamento que soube olhar pra um ponto interessante e ainda não muito explorado, o que já conta muitos pontos.


Ainda sem título (FOX)
Com: Mindy Kaling, que também escreve e produz a série.
Sobre: uma personagem tipo Bridget Jones, que tenta conciliar a vida profissional como médica obstetra num pequeno consultório com a vida pessoal zoada.
Por que deve ser legal: podiam falar que é uma série sobre aliens zumbis, se é com a Mindy Kaling, eu quero ver. Ela é muito talentosa, muito engraçada, muito gente boa, e acho que uma série no estilo comédia romântica combinada com a inteligência dela é uma ideia perfeita. Sem dúvida é a que eu tô mais ansiosa pra ver no que vai dar.


Joey Dakota (CW)
Com: ainda sem elenco definido. 
Sobre: uma história de viagem no tempo com romance e música. Uma documentarista decide voltar aos anos 90, quando ela conhece e se apaixona pelo rockstar que é o personagem de seu documentário. Quando ela retorna ao presente, precisa achar um jeito de se reunir com seu amor e evitar sua morte.
Por que deve ser legal: ok, concordo que é uma trama muito louca e um tanto complexa, o que torna dificil de esse negócio dar certo. Mas acho a combinação "menina que faz documentário apaixonada por rockstar nos anos 1990" uma coisa tão amor que tô querendo muito, muito que essa série preste, viu!


Depois disso, só consigo chegar a uma conclusão: vai faltar tempo pra ver tanta série :]

Quote do dia

.
ou "metáfora do dia"


terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Lovesongs

,

Já assisti vários programas de tv e li várias entrevistas em que o apresentador/reporter perguntava para o entrevistado qual era a música de amor que mais tocava o coração dele, qual a música que dava um nó na garganta, que dava contade de chorar mesmo se música estivesse tocando no som ambiente de uma loja de departamento lotada.

É legal fazer o exercício de pensar nisso. No programa Viva Voz de verão, da ídolo Sarah Oliveira, o convidado do dia, Lulu Santos, disse algo que eu considero muito certo: diga-me que música ouves que eu te direi quem és. Logo, dá pra adaptar pra diga-me que músicas de amor que te emocionam que eu te direi quem és, né?

Neste Valentine's Day, fiz esse post com duas listinhas musicais: a primeira, com as 10 músicas de amor consideradas pela VH1 como as mais bonitas de todos os tempos. A segunda, com as músicas de amor que eu considero algumas das minhas favoritas (e, na medida do possível, menos deprimentes, haha). Porque hoje é dia de romantismo, bebê ;)

A lista da VH1

1 – Whitney Houston – I Will Always Love You

2 – Elvis Presley – Love Me Tender

3 – Celine Dion – My Heart Will Go On

4 – Journey – Open Arms
5 – Paul Mccartney – Maybe I’m Amazed
6 – Righteous Brothers – Unchained Melody

7 – Lionel Richie (With Diana Ross) – Endless Love

8 – Elton John – Your Song

9 – Jackson Five – I’ll Be There

10 – Aerosmith – I Don’t Want To Miss A Thing

A minha lista (totalmente fora de ordem hierárquica, cronológica, etc)


Elvis Presley - Can't Help Falling in Love
Hall and Oates - You Make My Dreams Come True
Oasis - Wonderwall
Guns 'n Roses - Patience
Fleetwood Mac - Songbird
Noel Gallagher's High Flying Birds - If I Had a Gun
Cássia Eller (com letra de Nando Reis) - All Star
Michael Jackson - I Just Can't Stop Loving You
Marvin Gaye & Tami Terrel - Ain't No Mountain High Enough
Vanessa Carlton feat. Stevie Nicks - The One

Ouça aqui:



E quais são as suas músicas de amor mais amadas? ;)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

4 filmes de high school que quebram padrões

.
Fevereiro, mês de volta às aulas, aquela coisa de sempre. Você se anima na primeira semana (ou nem isso, na verdade quase todo mundo já começa o ano pedindo mais férias), se anima com o material escolar novo (se você estiver na faculdade, material escolar novo se resume à nova caneta que você comprou porque perdeu a antiga), se anima com colegas de classe novos. Mas é só começarem os trabalhos e a matéria nova que você já está de saco cheio, arranjando desculpas pra faltar/matar aula.

Filmes de high school também costumam ser aquela mesma coisa de sempre. A maioria tem os populares, os bonzinhos, uma historinha de amor impossível e um final feliz que passa bem longe da realidade.

Mas não é seempre assim. A maioria dos filmes se acomodam nesse formato, mas alguns são ousados o bastante pra quebrar esse padrão. Selecionei aqui alguns dos meus preferidos, porque, nesse volta às aulas, acho que é hora de decidir assistir algo diferente ;)

Heathers


Como eu já disse aqui, esse é um dos filmes de high school mais loucos que eu já vi. A história começa como muitas outras: grupo de meninas ricas, lindas e populares curtem humilhar o resto da escola. Três delas se chamam Heather, a outra se chama Veronica. E é justamente ela que se revolta contra o "sistema" e se junta com o namorado no intuito de acabar com a vida delas. Meio que literalmente. Só que o negócio vai ficando sério, e o filme vira um thriller. Muito, muito divertido.

Rock'n Roll High School


Para os que gostam de pregar que rock tem que ser rebelde, transgressor e com atitude, esse filme é uma relíquia. A protagonista é uma garota que ama música, ama rock e ama ouvir sua banda preferida em todo lugar, a todo momento. E sua banda preferida é simplesmente Ramones. O filme é na verdade o épico de uma fã: ela compra briga com a diretora da escola, sonha acordada em seu quarto, se imagina num romance com o músico, fica acampada na fila do show e organiza um motim pra quebrar tudo no colégio - com o apoio dos Ramones! Rock'n Roll High School é um clássico. E nem precisa dizer que a trilha sonora é sensacional.

Jovens, Loucos e Rebeldes



O filme é dos anos 90, mas se passa nos anos 70, e mostra um mesmo contexto de vários pontos de vista. Enquanto alguns alunos se formam e têm que encarar que é hora de virar gente grande, outros estão se preparando pra sair do mundinho pré-adolescente e entrar no ensino médio. Essas duas situações também são diferentes para as meninas e para os meninos. E toda essa galere se encontra numa festa em que todo mundo está, obviamente, muito louco.

Meninas Malvadas


Muita gente acha que Meninas Malvadas é o máximo dos filmes de high school, e é mesmo, porque consegue pegar os maiores estereótipos, misturar com uma trama super original e fazer uma grande sátira/crítica da coisa toda. O jeito como o filme mostra clichês como o drama da festa de formatura, o show de talentos, as populares, e como coloca tudo isso no chão do meio pra frente (a cena de todas as meninas na quadra, por exemplo, é absurdamente boa) nunca foi visto nem repetido em qualquer outro filme.

Quer dizer, se você ainda tem que passar por essa presepada de volta às aulas este ano, pelo menos vamos rir de tudo isso com filmes que também não levam a escola a sério ;]

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Os Melhores Clipes - Girls Gone Wild

.
Chega um momento (ou vários) na vida de qualquer garota  que dá aquela vontade de jogar tudo pro alto, fazer a maior cena de drama/raiva/ambos que o mundo já viu e ter um momento de liberdade e rebeldia contra tudo e contra todos. Parece coisa de louco, e deve ser mesmo. Mas esse instinto acontece com mais frequência do que o juízo de cada uma pode aparentar.

Essa transformação de menina boazinha na mais nova louca/ousada/piriguétchy da região tem até uma expressão em inglês: girls gone wild (ou good girls gone bad, mas eu prefiro a versão selvagem da coisa). É um tipo de sensação tão divertida (pra quem vê, não pra quem sente) que é super explorada pela música e pelos clipes.

Escolhi aqiu alguns que vão fazer você entender bem esse negócio de "elas estão descontroladas':

Aerosmith - Crazy


A essência da Girl Gone Wild tá aí, super bem representada por Alicia-Patricinha de Beverly Hills-Silverstone e Liv Tyler. As duas passam de colegiais recatadas para ninfetas que saem num carro conversível, fazendo miséria com todo e qualquer ser do sexo masculino que passe pelo caminho e rindo desse jeito livre e um tanto inconsequente de levar a vida. Dá uma ponta de invejinha delas, pode confessar.

Pink - So What


Praticamente todos os clipes da Pink preenchem os requisitos pra entrar aqui nesse post, porque a pessoa é 'the face of' Grils Gone Wild, hahaha. Ela é transgressora, e sempre tenta quebrar o padrão de diva das cantoras pops. E sempre consegue. Esse clipe é um ótimo exemplo. Também conhecida como uma das melhores músicas pra cantar gritando no karaokê, So What mostra uma pessoa meio magoada porque terminou com um cara, mas com muita raiva no coração e literalmente quebrando tudo. Como não amar um ser descontrolado desse?

M.I.A. - Bad Girls


Outra que também sempre teve uma coisa meio wild é a M.I.A. Desde que ela estourou, em 2005, com Bucky Done Gun, sua imagem nunca nem passou perto de menina certinha. Mas dessa vez ela se superou. Além de ser uma das features de Madonna em Give Me All Your Luvin (junto com Nicki Minaj), ela lançou seu novo single, Bad Girls, cujo clipe é uma coisa assim, meio genial , meio muita informação: no Oriente Médio, M.I.A. colocou mulheres de burca pra fazer manobras insanas com carros, tudo isso embalado pelo refrão, representando muito bem a classe.

Christina Aguilera - Dirrty


Tanto Christina quanto Britney começaram a carreira como princesinhas da América no fim de suas adolescências, com imagem de menininhas, puras, bonitinhas. Mas é claro que chegou uma hora que as duas cansaram desse rótulo e resolveram chutar o pau da barraca, né. A diferença é que Britney surtou legal, ficou loucona, enquanto Christina só desceu bem baixo mesmo na música, deixando a vida pessoal um pouco menos manchada que a da colega. Esse clipe, Dirrty, é de uma época em que Christina estava querendo chocar, com muita roupa de couro, luta de boxe e uma galera mal encarada. Bem diiirty mesmo.

Bon Jovi - Always


Esse clipe do Bon Jovi é um show de breguice do começo dos anos 90, mas também tem uma historinha bem engraçada de assistir. A garota principal vê o namorado a traindo com a roommate, e aí ela surta, joga as compras do mês em cima deles, sai de casa, perambula pelas ruas com o sapato na mão, chora na porta de estranhos, é muito drama, é muito bom. E o namorado também tem seu momento de loucura, não deixe de ver até o final.

Miley Cyrus - Can't Be Tamed


Girl gone wild, literalmente. Miley Cyrus mostra em Can't Be Tamed que não é mais a Hannah Montana nem a boa menina de When I Look At You e The Climb. A fotografia mais escura, o make super carregado e lógico, a menina mostrada como uma ave, acuada em seu ninho e rodeada por fotógrafos, só pode querer mostrar os dramas da vida artística da adolescente prodígio que virou mulher. Dava pra fazer quase uma tese acadêmica sobre esse tema, mas Miley prefere focar mesmo é na letra da música e nas coreografias do clipe.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Essa é a vida que eu quis

.
Porque tem certas horas na vida que só as amigas salvam ;)

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Tô Amando - Burgundy

.
Toda estação tem a sua "cor da estação", divulgada exaustivamente pelos veículos de moda. Mas ninguém explica muito bem quem foi que disse que naquele inverno ou verão, você só é cool se colocar tal cor nas peças do seu guarda-roupa.

Pois bem, alguém deve ter dito aí que, além do laranja e do mostarda, a cor que todas quer usar no inverno 2012 é o burgundy (ou o vinho, se você for gente como a gente). O resultado é que agora eu tô percorrendo com os olhos toda loja que entro pra ver se encontro alguma roupa nessa cor pra começar a usar djá!

Daí que eu peguei aqui alguns looks com peças em tons de vinho pra tentar exemplificar melhor essa paixonite inexplicável. Vê se você entende por que o vinho é o novo preto:






Todas as fotos são do Lookbook

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Clarice Falcão, a cantora mais fofa dos últimos tempos

.
Eu posso estar errada, mas tenho a impressão de que pelo menos uns 90% de todas as melhores letras de músicas feitas no mundo são um pouco tristes. Ou muito tristes. Ou de protesto. Ou sobre alguma situação ruim que o artista conseguiu transformar em algo lindo (e lucrativo). Os outros 10% são reservados às músicas felizes, não só aquelas que tem uma melodia feliz e te deixam num estado de espírito feliz, mas também aquelas que dão uma esperança de que ainda há amor no mundo, ou que te fazem rir. Eu acho que elas estão em menor número porque a maioria das suas representantes são bobas, piegas ou simplesmente chatas mesmo.

O que faz com que eu me sinta na obrigação de falar mais aqui sobre uma cantora que me deixou totalmente encantada esses dias com suas músicas brilhantes. Nem todas são exatamente felizes, mas mesmo tristinhas, dão um sentimento muito bom no final. Clarice Falcão é de Recife, tem 22 anos e já tá aí na atividade artística (ela é cantora, roteirista, estudante de cinema e atriz) há um bom tempo (a MTV já fez uma entrevista bem legal com ela, que também já fez músicas para a trilha dos filmes Lisbela e o Prisioneiro e Apenas o Fim, e atuou em A Favorita), mas acho que a maioria das pessoas só começou a ouvir as músicas dela agora. Quase todo dia algum amigo compartilha um link dela cantando nas redes sociais. Acho que, por isso, Clarice Falcão pode ser considerada mais um fenômeno da internet - e um dos melhores que eu já vi.

As músicas dela são todas de amor, e falam dele de um jeito tão, mas tão fofo, bonitinho, inteligente e realista, que, se você já gostou de alguém na vida, vai querer lembrar de como é essa sensação só pra se identificar com as composições dela.




O melhor é que Clarice é brasileira e faz lindas músicas em português, coisa que eu raríssimamente destaco aqui. Outra que (re)apareceu com uma música e letra ótima foi Mallu Magalhães. Confesso que já trollei muito essa menina em sua fase mais altervativa (eufemismo pra estranha), mas agora paguei minha língua com esse novo look estiloso e um trabalho bom. Seria o trabalho dessas duas meninas uma nova tendência na música brasileira? Tô torcendo pra que sim :))

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Quote do dia

.

(história da minha vida)

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Livros de música

.
Na época do colégio, eu era considerada nerd. Não que eu me esforçasse muito pra manter esse rótulo, mas desde pequena eu sempre gostei de ler, e sempre fui um pouco pressionada em casa pra tirar boas notas, logo o resultado não poderia ser outro senão ser uma das cdf's da sala - em todas as salas que eu estudei na escola.

Só que quando eu entrei na faculdade, vi que a minha nerdice era nada perto da super inteligência e erudição das pessoas que eu encontrei lá. Daí que eu percebi melhor também que não existe um tipo só de nerdice. Existem os nerds de literatura, os nerds de cinema, os nerds de matemática, enfim, qualquer especialização é de certa forma uma nerdice, né.

Decidi fazer esse post agora porque pra muita gente essa é a semana da volta às aulas. E geralmente no começo do ano letivo a gente está mais animado (ou menos de saco cheio) pra ler livros e textos. Uma forma de estimular mais a leitura é focar em um assunto que seja de seu interesse no momento e ir à fundo. Pra mim, um dos assuntos mais legais e com mais material em livro é música. Por isso, fiz uma listinha dividida em categorias de livros de música para entreter, conhecer, absorver, ler, ler, ler.

Música + Social



1. Slanted and Enchanted: The Evolution of Indie Culture, Kaya Oakes: O autor faz o curioso exercício de analisar o que caracteriza e como se desenvolve a cultura indie, principalmente na música, mas também entrando na questão da moda, do comportamento, da arte em geral.

2. Cale-se - MPB e a Ditadura Militar, Manu Pinheiro: Usando as letras das músicas de MPB do fim dos anos 60, o livro analisa o período de chumbo da história do Brasil, e como a música era um instrumento de expressão e comunicação das ideologias da época.

3. She's a Rebel: The History of Women in Rock and Roll, Gillian Gaar: O livro conta cronologicamente a história das mulheres na música, desde as divas do R&B dos anos 50/60, passando pelas punks dos anos 70, e chegando às cantoras, vocalistas e bandas de garotas dos anos 80/90.

Música + Amor



1. 31 Songs, Nicky Hornby: Através de 31 músicas que ele adora, o autor conta o que a música significa em sua vida., como a música o acompanha, o que a música lhe proporcionou. Nicky Hornby coloca um pouco de música e cultura pop em todos os seus livros. Indico também Songbook e Alta Fidelidade.

2. Love Is a Mix Tape: Life and Loss, One Song at a Time, Rob Sheffield: Autor conta sua história e a do amor da sua vida por meio de músicas que marcaram a vida dos dois. Cada capítulo é o nome de uma música, e começa com uma mixtape que um fez para o outro.

3. Você tem que ouvir isso!, Luiz Cesar Pimentel: O livro apresenta playlistas feitas por váarios artistas, jornalistas, estilistas, apresentadores e pessoas influentes em geral com as músicas que eles mais amam. No final, há espaço em branco para o leitor colocar suas preferidas e fazer sua própria playlist.

Biografias musicais



1. According to the Rolling Stones, Rolling Stones: Os quatro integrantes contam nesse livro a história da banda, de como quatro garotos da Inglaterra chegaram onde estão hoje - e tudo o que passaram no caminho. O livro também traz depoimentos de amigos e colaboradores.

2. Cobain, dos editores da Rolling Stone: Esse livro é uma grande compilação de tudo de mais relevante que já saiu na RS sobre Kurt Cobain e o Nirvana, a origem, a história, os percalços. Também traz análises de músicas, depoimentos de pessoas próximas e muitas fotos.

3. Carmen - Uma Biografia, Ruy Castro: Como toda boa biografia de Ruy Castro, a de Carmen Miranda também é extremamente detalhada, ano a ano. Dá pra saber como ela chegou ao estrelato e conhecer mais sobre o Rio de Janeiro e Hollywood dos anos 40 e 50.

Relatos sobre os músicos



1. Chega de Falar de Mim, Jancee Dunn: existe até uma tag pra essa autora aqui do tanto que eu falo dela, mas é que é inevitável: se você quiser saber sobre os bastidores das entrevistas com cantores e bandas, e sobre a personalidade de vários deles, Jancee é a melhor fonte que tem.

2. De A-ha a U2, Zeca Camargo: A gente vê o Zeca Camargo todo domingo na tv, mas não vê toodo o trabalho que é necessário pra colocar no ar 5 minutos de entrevista com músicos. Ele já entrevistou muitos, muitos deles, e conta tudo com muitos detalhes e informação musical.

3. Main Lines, Blood Feasts, and Bad Taste: A Lester Bangs Reader, John Morthland: Lester Bangs foi e é até hoje uma lenda da crítica de rock. Esse livro traz não só algumas de suas críticas como também entrevistas com músicos, artigos, perfis, etc.

História da(s) música(s)



1. The Beatles - A História Por Trás de Todas as Canções, Steve Turner: o título do livro é bem auto explicativo. Em cada página a gente encontra a história ou a situação que deu inspiração e origem às letras e melodias das músicas dos Beatles.

2. Lit Riffs, Neil Straus: Uma das ideias mais curiosas e interessantes que eu já vi. Vinte e quatro escritores consagrados escrevem histórias baseadas nas letras de suas músicas preferidas. Pequenos contos que tem como inspiração músicas de Foo Fighters, White Striper, Cat Power...muito legal!

3. 300 Discos Importantes da Música Brasileira, Carlos Calado: É quase aquela ideia de 501 discos para ouvir antes de morrer, só que muito mais preciso, com muito mais informações e totalmente focado no que tem de melhor na música brasileira.

Música em fotos



1. Um Dia na Vida dos Beatles, Don McCullin: mais de 90 fotos dos Beatles tiradas em um dia de 1968, quando a banda gravava o Sgt. Pepper's Lonely Heart's Club Band. No final, há um artigo de Paul McCartney contando suas impressões sobre como foi o dia daquelas fotos.

2. Pearl Jam Twenty, Cameron Crowe: O livro é a versão impressa do documentário de mesmo nome. É enorme, lindo e tem de tudo: fotos de bastidores, fotos de arquivo, notas de turnê, set lists, desenhos, anotações. Além de entrevistas com os integrantes e músicos amigos da banda.

3. Rolling Stone - 1.000 Covers, dos editores da Rolling Stone : Uma viagem por mais de 40 anos de capas da revista Rolling Stone, com fotos que se tornaram ícones da música e da cultura mundial. O livro também traz quotes e trechos de entrevistas com os artistas.

Fala se não dá vontade de ser orgulhosamente um(a) nerd, um(a) music geek depois dessa lista!
(Caso interesse, a grande maioria dos livros podem ser encontrados na Livraria Cultura ;)

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Quote do dia

.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

As edições Hollywood da Vanity Fair

.
Todo ano, no mês fevereiro, a Vanity Fair coloca nas bancas a sua Hollywood Issue, uma edição lindíssima que traz na capa algumas das maiores e mais inspiradoras estrelas do cinema do momento.

Ontem foi divulgada a Hollywood Issue desse ano, com uma capa tão linda, mas tão linda, que dá pra servir de poster e enfeitar tranquilamente qualquer parede, haha. O legal é que a produção é sempre tão incrível que dá pra a gente pegar inspirações ótimas de makes e looks.

(clique para ampliar) A edição deste ano conta com as atrizes da esquerda para a direita: Rooney Mara, Jennifer Lawrence, Mia Wasikowska, Jessica Chastain, Elizabeth Olsen, Adepero Oduye, Shailene Woodley, Paula Patton, Felicity Jones, Lily Collins e Brit Marling. Tem até videozinho do making off desse ensaio.

Algumas capas antigas, mas não menos lindas:

Hollywood Issue 2011: Ryan Reynolds, Jake Gyllenhall, Anne Hathaway, James Franco, Jennifer Lawrence, Anthony Mackie, Olivia Wilde, Jesse Eisenberg, Mila Kunis, Joseph Gordon-Levitt, Andrew Garfield, Rashida Jones, Garret Hedlund, Noomi Rapace e Robert Duvall

Hollywood Issue 2010: Abbie Cornish, Kristen Stewart, Carey Mulligan, Amanda Seyfried, Rebecca Hall, Mia Wasikowska, Emma Stone, Evan Rachel Wood e Ashley Greene.

Hollywood Issue 2008: Emily Blunt, Amy Adams, Anne Hathaway, Jessica Biel, Alice Braga (!), Ellen Page, Zoe Saldana, Elizabeth Banks, Ginnifer Goodwin e America Ferrera

Hollywood Issue 2004: Julianne Moore, Jennifer Connelly, Gwyneth Paltrow, Naomi Watts, Salma Hayek, Kirsten Durnst, Diane Lane, Jennifer Aniston, Lucy Liu, Hilary Swank, Alison Lohman, Scarlett Johansson e Maggie Gyllenhall

A primeira Hollywood Issue, de 1995: Jennifer Jason Leight, Uma Thurman, Nicole Kidman, Patricia Arquette, Linda Fiorentino, Gwyneth Paltrow, Sarah Jessica Parker, Julianne Moore, Angela Bassett e Sandra Bullock

Por fim, uma capa que não foi uma Hollywood Issue, mas foi uma espécie de Teen Hollywood Issue. Em 2003 ou 2004, todas as atrizes teen mais famosas da época saíram na capa da Vanity Fair. É nostalgia pura! E era muito difícil achar um blog patricinha desse período que não tinha a foto de pelo menos uma delas em seu template (o meu tinha a Hilary, hahah).

Teen Issue: Amanda Bynes, Mary-Kate e Ashley Olsen, Mandy Moore, Hilary Duff, Alexis Bledel, Evan Rachel Wood, Raven Simoné e Lindsay Lohan

Para ver todas as capas das Hollywood Issues, clique aqui ;)