terça-feira, 3 de abril de 2012

Filmes para curtir uma fossa

.
Semana passada, tive mais uma vez aquele fenômeno em que um assunto fica me perseguindo até que eu sinta necessidade de postar sobre ele. Primeiro foi uma amiga confessando que ficou na fossa por causa de um cara bem retardado (por um dia, mas enfim, ficou). Depoi, li um trechinho de um texto da minha nova autora/escritora/blogueira/seilá preferida, a Camila Fremder, que dizia assim: “Minha última dor boa, e a mais temida por todos, é a dor do “pé na bunda”. Eu sei, a gente sofre muito quando leva um fora, mas diz aí se não é uma delícia ficar na cama vendo filme depressivo, comendo besteira, com a roupa mais feia do armário, cutucando uma afta, ou puxando uma pelinha? Nossa, já curti horrores assim…”.

Eu não sei bem o que pensar sobre essa questão da fossa. Costumo dizer que só deve ser bom, bom mesmo, pra quem é artista e consegue transformar tristeza em dinheiro (oi, Adele). Se não for o caso, eu entendo a dor de amor meio que como um beijo de um dementador: parece que a gente sente que nunca mais vai ser feliz, né? :S

Mas, mesmo assim, mesmo neste fundo do poço do coração, é inexplicável a vontade que dá de achar algum sentido no mundo pra tudo aquilo que a gente está passando. E geralmente o sentido e a identificação estão onde? Na cultura, claro. Música, cinema e literatura sabem muito bem como trabalhar com a melancolia dos corações apaixonados, não é verdade?

Daí que eu resolvi seguir o relato da Camila Fremder e fazer aqui uma seleção com filmes pra quem está na fossa, ou muito carente, aproveitar e curtir esse momento, se é que isso é possível de fato, hahaha. Nem todos são depressivos (nada de PS: Eu Te Amo, é hora de trocar o dvd) ou "choque de realidade" (não espere ver Ele Não Está Tão a Fim de Você aqui, vamos ter um pouco de piedade, né) mas todos certamente vão provocar reações fortes no seu já castigado coraçãozinho.




Do que se trata: "Um jovem rapaz americano e uma jovem britânica conhecem-se na faculdade e se apaixonam. Seu amor é testado quando ela é banida dos EUA e eles têm que enfrentar os desafios de um relacionamento de longa distância."

Qual vai ser a sua provável reação: Se você já passou por uma situação de namoro à distância, você vai morrer. Se não, mesmo assim vai sentir muito a angústia de um casal fazendo de tudo pra um relacionamento dar certo, mas se perdendo diversas vezes pelo caminho.

Por que combina com o momento: porque quando a gente está triste, decepcionada, não dá muita vontade de ver algo muito feliz e alegre. E esse filme passa bem longe de ser uma história de amor perfeita. Os dois passam por tantas confusões mentais, tantos problemas, tantas reviravoltas, que no final você nem sabe se entende o que seria melhor pra esse relacionamento. É o tipo de história tão complicada que as pessoas contam pra que você sinta que o seu caso nem foi tão difícil assim :/





Do que se trata: "Melhores amigos enquanto cresciam, Emma e Will perderam contato um bom tempo atrás-até onde ela sabe. Para Will, Emma nunca deixou de ser a pessoa mais importante da sua vida. Acreditando que eles estão ligados para sempre, ele vai aonde ela vai."

Qual vai ser a sua provável reação? Primeiro, você não vai se aguentar com a fofura do garoto. Mas depois, vai perceber que nem sempre amor demais é uma coisa boa…

Por que combina com o momento: Esse filme confunde os sentimentos de quem assiste. Vai ver porque é um dos filmes com os personagens mais confusos e estranhinhos ever. Tem várias questões que vão fazer você pensar, tipo: é amor ou obsessão? Amor platônico: até quando? Você está vivendo uma relação doentia e não se tocou? Não,o filme não te dá todas essas respostas,mas o final bem digno e fofo faz valer a pena :)


Do que se trata: "É uma espirituosa história sobre casamentos que não vão bem. Casais insatisfeitos tentam fugir de suas relações e criam situações em torno deles mesmos para escapar de suas realidades sem graça."

Qual vai ser a sua provável reação? A princípio, você vai se iludir. Mas calma, o filme também tem sua cota de realidade cruel.

Por que combina com o momento: Woody Allen sabe falar como ninguém de relacionamentos problemáticos. Em "Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos", eles são vários, pelo menos um vai tocar seu coração (de uma forma leve, sem destroçá-lo ;). E o legal é que dá pra você enxergar os erros de uma relação de fora, sem estar tão envolvida. Woody também brinca muito com o escapismo e a ilusão nesse filme, no sentido de acreditarmos em algo só baseados na vontade que temos de que aquilo aconteça. E isso é ótimo pra abrir um pouco os nossos olhos. 


Do que se trata: "Uma escreve uma coluna sobre casamento bastante conhecida no Daily Telegraph, de Londres, e está apaixonada por um cara que está noivo. A outra, dona de uma próspera agência de publicidade especializada na produção de trailers, após descobrir que seu namorado Ethan não tem sido fiel, encontra na internet um site especializado em intercâmbio de casas. As duas entram em contato e combinam a troca de suas casas. Logo a mudança trará reflexos na vida amorosa de ambas."

Qual vai ser a sua provável reação? Vai se identificar no começo e vai se iludir que ainda existe amor verdadeiro no final, mas calma,  não é um romance açucarado a ponto de você ter vontade de se matar com a faca da cozinha.

Por que combina com o momento: Eu não ia recomendar nenhuma comédia romântica óbvia nesse post aqui, mas de O Amor Não Tira Férias não tem como fugir. Acho um filme muito legal porque é como se funcionasse um pouco como a auto-ajuda para pessoas na fossa. Duas mulheres que se deram muito, muito mal no amor aprendem a dar a volta por cima e serem mais felizes. Tudo bem que isso não quer dizer que e só você largar o seu boy lixo atual que daqui a pouco vai aparecer um Jude Law na sua vida (seria bom), mas faz a gente ver que renunciar de vez a algo que nos faz mal pode ser a melhor escolha que a gente tem a fazer.


Do que se trata: "Casablanca é a rota obrigatória de quem está fugindo dos nazistas na Segunda Guerra Mundial. É lá que Rick vai reencontrar Ilsa, anos depois de terem se apaixonado e se perdido em Paris.

Qual vai ser a sua provável reação? Se você for uma pessoa com coração, você vai se emocionar. Muito choro no final é uma possibilidade, dependendo do nível da sua fossa."

Por que combina com o momento: Porque é uma história de amor que não tem como culpar ninguém, a não ser a vida, ridícula, que cisma em separar quem merecia ficar junto. Pode parecer um drama menos intenso, mas na verdade, quando é assim, dói muito mais simplesmente porque não tem o que fazer a não ser fazer a coisa certa (que, cá entre nós, nunca deixa ninguém feliz, né). Casablanca vale a pena ser assistido no período de fossa pra você chorar e viajar nos seus pensamentos o quanto quiser. Pra depois enxugar as lágrimas, levantar e seguir em frente, sabendo que, mesmo não tendo dado certo, vocês sempre terão ________ (no caso do filme, Paris, mas insira aqui o local de sua preferência) ;)


Do que se trata: "Em 1937, Katie, uma judia comunista, desperta a atenção de Hubbell, um protestante de uma rica família. Cada um segue seu caminho, ele se dedicando a escrever e ela trabalhando em uma rádio. Quase oito anos depois os dois se encontram por acaso. Provavelmente por serem bem diferentes, os opostos se atraem os dois se apaixonam. Porém, por viverem em "mundos diferentes", conflitos surgem a todo momento, e a relação se torna cada vez mais complicada."

Qual vai ser a sua provável reação? Não recomendo esse filme se a fossa estiver muito, muito forte. Porque se o seu coração já está partido, prepare-se para quebrá-lo mais um pouquinho. E vai doer.

Por que combina com o momento: Sabe aquela história de amor em que tá tudo errado, já começou tudo errado, mas mesmo assim a gente queria tanto, mas tanto, que desse certo? É isso que acontece em Nosso Amor de Ontem. Você vai sentir aquela dorzinha que incomoda, aquela sensação de inconformidade, ao ver duas pessoas que poderiam ser ótimas juntas, mas que por algum ou vários motivos, não conseguem. Esse filme inclusive é tema de um dos melhores episódios de Sex and the City, e Carrie Bradshaw pode explicar muito melhor do que eu o que a gente sente com esse filme :(((


Olha só digo uma coisa, a mulher apaixonada e não correspondida que assistir a essa maratona de filmes e sobreviver tá de parabéns, viu. Isso que é ser guerreira, o resto é bobagem.

Um comentário:

  1. MORRO com The Way We Were. Mas, assim, de não levantar mais da cama o resto do dia. É claro que foi Carrie quem me mostrou esse filme. Amei o post, Fê.

    ResponderExcluir