quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Cluelist: a anti-heroína

.
Daí que como o que eu mais faço aqui é falar aleatoriedades sobre filmes, músicas, séries e livros, pensei, por que não inventar uma desculpa pra falar só disso uma vez por semana sem motivo algum?

E assim nasce a Cluelist, que vai ser, daqui pra frente (se disposição eu tiver, e eu hei de ter), um post com dicas de entretenimento que girem em torno de um tema específico. Me inspirei nas listinhas que o site Rookie solta uma vez por semana também.

O tema de inauguração é um dos meus preferidos do momento, que eu já falei aqui e até a Veja anda comentando: a anti-heroína.

Caindo na Real
Depois que eu publiquei minha listinha de anti-heroínas, me senti meio em falta por não ter falado sobre a Lelaina (interpretada pela deusa Winona Ryder) de Caindo na Real. Porque ela não faz nada muito ilegal ou maldoso, mas leva uma vida que faria qualquer mocinha perfeita ter calafrios: tem um emprego zoado, perde o emprego, vai em busca de empregos piores ainda. Tem pais meio estranhos e amigos com problemas maiores que os dela. A vida amorosa é aquela confusão de sentimentos e joguinhos (apesar de ter um boy bem magia envolvido). No meio disso tudo que é ter 20 e poucos anos, Lelaina passa os dias mais deprês deitada no sofá, toda embarangada, comendo, fumando e vendo tv. Claro que essa é uma parte "não repita em casa", mas o filme todo é de uma realidade não sufocante, com alto teor de identificação e super divertida durante a trama inteira.

Pink, Funhouse (2008) e I'm Not Dead (2006)
Pink até tem suas baladinhas de amor (como a maravilhosa Who Knew), mas é nas músicas cheias de raiva, sarcasmo ou ironia que ela mostra a que veio e porque é diferente de todas as outras cantoras pop. Destaque para U + Ur Hand, So What (genial se vc estiver em um momento de insatisfação com o mundo e quiser cantar gritando) e Stupid Girl, uma grande crítica à indústria da beleza, que faria qualquer mocinha alienada ou panicat da vida se envergonhar por uns dois meses.

New Girl
Precisa ter bastante personalidade e carisma pra ter um adjetivo criado especialmente pra você, né? A Jess (Zooey Deschanel) tem. Ela é a definição de "adorkable" = uma pessoa adorável porém meio boba, meio nerd, meio atrapalhada, meio a coisa mais fofa do mundo. O que faz da serie ainda melhor, além do jeito zoadinho de ser da Jess, são seus amigos, todos bem zoadinhos também :)

Verão na Cidade
Eu sempre achei Carrie Bradshaw una das maiores anti-heroínas da cultura pop, apesar de ela ser protagonista de uma das produções de maior sucesso entre o público feminino. E lendo Verão na Cidade eu pude ver que estava certa. O livro conta a história dos primeiros meses de Carrie em Nova York, e narra as primeiras experiências erradas, bizarras e/ou super divertidas dela com as pessoas, a carreira e a cidade. Resultado: um livro pra devorar em poucas horas de tão bom.

Girls
Eu li uma entrevista da Lena Dunham dizendo que a coisa mais difícil para ela como roteirista, produtora e diretora de Girls era colocar realidade dentro da série. Se eu já a respeitava e admirava antes, depois dessa então...o que Girls tem mais, e de melhor, é a realidade gritante de cada personagem (o que eu já falei aqui). E tentando perceber quem é a mais imperfeita, confusa ou sem noção delas, a gente também percebe com qual se identifica mais e como a série é genial, tanto que acaba de ser indicada a 5 Emmys.

White Girl Problems
Esse é pra rir (muito), mas só se você tiver estômago pra muito sarcasmo e humor negro. White Girl Problems é originalmente um livro, mas não deixe, por favor, de acompanhar também o twitter e o blog. Babe Walker, a autora, adora falar mal dos outros, dar conselhos absurdos para suas leitoras e, principalmente, comentar o mundo das celebridades e falar com muita acidez dos problemas de garotas que na verdade nem têm problemas tão grandes assim. Talvez você ache Babe uma estúpida e odeie a personalidade dela. Mas talvez você abrace o jeitinho dela de ser e reconheça que ela é tão anti-heroína, mas tão anti-heroína, que ela só não é mais vilã porque é inevitável concordar com o que ela escreve.


Um comentário:

  1. Fernandaaaaa
    Parabéns pelo seu blog, sempre acompanho e vc vem impressionando com posts ótimos e muito interessantes :))) Adoro suas sugestões de filmes, músicas e livros e acho que deveriam ter ainda mais histórias com anti-heroínas ;) Um abraço :D

    ResponderExcluir